Bolsas

Câmbio

Banco Central argentino define teto da inflação para 2017 em 17%

Buenos Aires, 26 set (EFE).- O presidente do Banco Central da República Argentina (BCRA), Federico Sturzenegger, anunciou nesta segunda-feira a intenção da instituição econômica de alcançar uma inflação de entre 12% e 17% durante o próximo ano.

No encontro para divulgar o "Regime de Metas de Inflação", que aconteceu em Buenos Aires, Sturzenegger ressaltou que este é "um compromisso" e "a prioridade central" do BCRA.

Esta redução da inflação ficaria rebaixada entre 8% e 12% em 2018 e alcançaria 5% em 2019, explicou o presidente da entidade monetária à imprensa.

Para Sturzenegger, não existe "uma fórmula mecânica" para alcançar a meta, mas "há um objetivo claro e instrumentos que se pode acomodar para cumprir dito objetivo".

Além disso, anunciou também que a partir de janeiro de 2017 serão publicados reportes semanais da taxa de política monetária para proporcionar "mais estabilidade" ao acompanhamento da economia argentina e que já não se basearão nas taxas das Letras do Banco Central (LEBAC), publicadas a cada 35 dias.

Sturzenegger esclareceu que o índice que define agora a política monetária é "o índice do Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) que der a cobertura mais nacional que se tenha", que neste caso é o de inflação da Área Metropolitana de Buenos Aires (AMBA) e que "cobre aproximadamente 40% do território".

"A desinflação é a receita mais conducente ao crescimento, não só para uma maior igualdade, mas porque permite um processo de adequação na economia", destacou o presidente do BCRA.

Durante a entrevista coletiva, o vice-presidente da entidade, Lucas Llach, acrescentou que, "à medida que a inflação vá descendo, a taxas de juros serão reduzidas".

Já no último dia 15 de setembro, o governo de Mauricio Macri, que tem como um dos principais objetivos diminuir a inflação, apresentou ao Congresso seu primeiro orçamento nacional, que contempla um crescimento econômico de 3,5% para 2017, uma projeção de inflação de 17% e um déficit fiscal de 4,2%.

Por enquanto, os preços ao consumidor na Argentina subiram 0,2% em agosto, quando comparado com julho, segundo o Indec.

O aumento esteve marcado pela decisão da Corte Suprema de Justiça de confirmar parcialmente a sentença judicial que declarava nulos os polêmicos aumentos nas tarifas de gás ditados pelo governo em abril.

Esta foi a quarta medição divulgada pelo Indec este ano, que tinha suspendido a apresentação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) depois da reforma implementada nas medições após a chegada de Macri à presidência em dezembro do ano passado.

De forma paralela aos dados oficiais, a oposição no Congresso divulga a cada mês uma medição do IPC, com base em cálculos de consultoras privadas.

O denominado "IPC Congresso" mediu para agosto um aumento da inflação de 0,5% com relação a julho e uma alta anualizada de 43,5%. EFE

cch/rsd

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos