Bolsas

Câmbio

Maior jornal da Hungria, opositor "Népszabadság" é temporariamente fechado

(Acrescenta dados sobre reações)

Budapeste, 8 out (EFE).- A Mediaworks, proprietária do maior jornal da Hungria, o opositor "Népszabadság" ("liberdade do povo", em húngaro), anunciou neste sábado o fechamento temporário do veículo, um passo qualificado pelos jornalistas da empresa como uma medida "golpista".

Os funcionários da redação já não têm mais acesso ao e-mail corporativo e também não puderam entrar na sede, segundo informaram os jornalistas na página do jornal no Facebook.

"Estimados seguidores, a redação de 'Népszabadság' se inteirou junto à opinião pública de que o jornal foi fechado. Nosso primeiro pensamento é que isto é um golpe", afirmaram na rede social os jornalistas, que dizem não terem sido informados com antecedência sobre o fechamento.

A Mediaworks informou em comunicado que o rotativo só gerou perdas (16 milhões de euros) nos últimos anos e que em 10 anos a tiragem foi reduzida em 74% (em 100 mil exemplares).

"Todas as edições de 'Népszabadság' (impressa e online) contando com o dia de hoje até a elaboração e aplicação do novo conceito serão suspensas", afirma a Mediaworks em comunicado.

O portal de notícias "hvg" lembra que "nos últimos tempos se falava que a Mediaworks havia sido vendida a um proprietário próximo ao governo", do primeiro-ministro húngaro, o conservador Viktor Orbán.

Vários jornais húngaros expressaram solidariedade com os funcionários de "Népszabadság", o jornal que entre 1956 e 1990 foi a publicação oficial do regime comunista.

Mais de duas mil pessoas se reuniram nesta tarde em frente à sede do parlamento húngaro, na praça Kossuth de Budapeste, para expressar apoio ao jornal.

"Em pouco tempo terminará a liberdade de imprensa se deixarmos que isso continue assim", afirmou em meio ao protesto o filósofo Gáspár Miklós Tamás.

O presidente do grupo de Socialistas e Democratas do parlamento Europeu (PE), Gianni Pittella, criticou em comunicado o fechamento do jornal e ressaltou que "a liberdade de imprensa está em perigo" na Hungria.

"O jornal mais influente e independente da Hungria foi suspenso nesta noite, sem nenhum aviso prévio, com o pretexto de razões econômicas. É muito comum em sistemas não democráticos o fechamento de diários hostis que danificam o poder do governo, revelando, por exemplo, casos de corrupção. Isto foi o que aconteceu com o Népszabadság. Exigimos que as autoridades húngaras iniciem todas as medidas possíveis para assegurar a reabertura do Népszabadság e a volta de todos os jornalistas ao trabalho", declarou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos