Bolsas

Câmbio

Decreto de Trump também afeta pessoal de cabine de voos aos EUA, segundo Iata

Genebra, 29 jan (EFE).- A Agência Internacional do Transporte Aéreo (Iata) advertiu as companhias aéreas que compõem a entidade que o decreto assinado pelo presidente americano, Donald Trump, que impede a entrada aos Estados Unidos de cidadãos de sete países de maioria muçulmana também afeta o pessoal de cabine.

O novo presidente dos Estados Unidos assinou na sexta-feira um decreto que suspende durante 90 dias a obtenção de vistos em sete países de maioria muçulmana com histórico de terrorismo.

No sábado, a Iata enviou uma mensagem a todas as companhias aéreas alertando sobre os efeitos do decreto.

Segundo a mensagem, o pessoal de cabine com nacionalidade dos sete países vetados - Irã, Iraque, Etiópia, Sudão, Líbia, Síria e Iêmen - não poderão entrar nos EUA.

A Iata ressalta os problemas de organização que a medida implicará para se operar voos com a exclusão de pessoal dessas nacionalidades.

Além disso, a instituição lembra que a medida provocará prejuízos em muitas companhias aéreas, uma vez que têm que impedir a entrada de passageiros desses países árabes e africanos.

A mensagem cita como exemplo o Irã, e lembra que, segundo dados oficiais americanos, 35.000 iranianos visitaram os Estados Unidos em 2015.

O texto também comenta que, como as medidas foram tomadas no final da semana, a entidade não teve tempo de reagir nem de dar respostas concretas a seus membros, mas promete atuar em breve.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos