Bolsas

Câmbio

Odebrecht quer vender ativos no Peru para pagar provedores

Lima, 23 mar (EFE).- A Odebrecht quer vender seus ativos no Peru para pagar seus provedores e iniciar a reparação civil por seu envolvimento em casos de corrupção, embora lamente os "impedimentos" que está encontrando para cumprir esse objetivo, afirmou nesta quinta-feira o representante da construtora brasileira no país, Mauricio Cruz.

Cruz afirmou, em entrevista publicada pela revista peruana "Caretas", que a construtora "é solvente" porque tem sete concessões no Peru e um patrimônio de US$ 2 bilhões, mas lamentou que não possa chegar-se a uma solução porque, em sua opinião, "falta a boa vontade da outra parte".

O executivo reiterou a disposição da empresa brasileira em colaborar com a Justiça peruana sem objeções, "com a intenção de poder vender e pagar todos nossos credores, provedores, trabalhadores e a reparação civil; ficar no zero".

"Mas há duas pedras no caminho: a autorização de venda de nossos ativos e o destino do dinheiro", acrescentou o diretor da Odebrecht, que propôs "uma melhor gestão do Decreto de Urgência 003, porque dinheiro há".

O funcionário se referiu assim ao decreto impulsionado pelo governo do presidente Pedro Pablo Kuczynski que submeteu a empresa brasileira a um controle de seus ativos, para garantir entre outras coisas o pagamento de qualquer indenização que lhe possa ser imposta pela Justiça peruana pelos atos de corrupção nos quais esteve envolvida.

Assim, Cruz lamentou que o governo peruano não tenha autorizado, até o momento, o pedido da Odebrecht para repassar suas concessões no projeto de irrigação Olmos, que abrange 43.500 hectares de cultivos no litoral norte do Peru, e o uso de 100 milhões de sóis (quase US$ 31 milhões) para o pagamento dos diversos provedores que não têm a ver com os casos de corrupção.

"Os congelamentos, embargos e retenções impediram a Odebrecht de pagar grande parte de seus credores nacionais e internacionais nas últimas semanas, pondo em risco a continuidade dos projetos, além do risco de insolvência de suas centenas de credores", ressaltou.

Cruz lembrou que a construtora tem 560 empresas provedoras "fazendo fila e 7.000 trabalhadores esperando seus salários e benefícios sociais", e salientou que, devido ao fato de que é impossível que o governo assuma essa dívida, se for aprovada a venda de suas concessões em Olmos, é possível quitar a dívida com provedores "em poucos dias".

Além disso, evidenciou seu temor de que se destroce a cadeia de pagamentos se não se agilizar a determinação da quantia do montante da reparação civil, que deve ser estabelecida pela Procuradoria da República.

"No entanto, a procuradora disse aos veículos de comunicação que o montante é incalculável e que não informará do mesmo até que o processo de colaboração da Odebrecht seja concluído, o que poderá demorar meses" lamentou.

Segundo Cruz, o decreto, que congelou todas as vendas de bens da Odebrecht "desde simples computadores até a hidrelétrica de Chaglla, avaliada em US$ 1,7 bilhão", já está afetando os pagamentos, assim como os embargos paralelos aos quais a empresa foi submetida por parte da SUNAT (Fazenda peruana).

Estes embargos envolveram 33 contas da empresa e dinheiro e imóveis no valor total de 100 milhões de sóis (US$ 30 milhões).

Igualmente, a estatal Electroperú reteve 40% do montante que deveria pagar pela compra de energia gerada na hidrelétrica de Chaglla, o qual deveria ter ido diretamente aos bancos internacionais que financiaram o projeto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos