Bolsas

Câmbio

Odebrecht nega saída do consórcio que constrói metrô de Quito

Quito, 29 abr (EFE).- O diretor regional da Odebrecht no Equador, Mauro Hueb, afirmou neste sábado em comunicado que a "prioridade" da empresa é finalizar as obras do metrô de Quito e assegurou que a cessão de sua participação no consórcio com a espanhola Acciona, e sua saída do mesmo, está suspensa desde 4 de abril.

"Nossa prioridade atual é concluir as obras com segurança para benefício da cidade e da sociedade de Quito", assegurou Hueb em um comunicado divulgado pela Odebrecht.

O prefeito de Quito, Mauricio Rodas, informou ontem durante uma visita às obras do metrô sua aprovação à reorganização do consórcio, já que não tinha recebido objeções dos organismos multilaterais que financiam o projeto, como o Banco Mundial (BM) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).

Rodas assegurou que deu este passo "em virtude de que o próprio consórcio o tinha solicitado no mês de outubro", e que a saída da Odebrecht implicava na "cessão da totalidade" de responsabilidades da construtora brasileira.

Em seu comunicado de hoje, a Odebrecht apontou que "desde 4 de abril" este processo de cessão "se encontra suspenso" e que esta decisão "foi formalmente comunicada ao senhor prefeito de Quito em 18 de abril".

A obra do metrô de Quito, cujo projeto abrange 22 quilômetros de túnel e 15 estações, foi licitada ao consórcio hispano-brasileiro em 2015 por mais de US$ 1,5 bilhão.

O Equador abriu uma investigação após a revelação da Justiça dos Estados Unidos, em dezembro do ano passado, de que a construtora brasileira pagou US$ 33,5 milhões a funcionários do país andino entre 2007 e 2016.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos