Bolsas

Câmbio

Cuba celebra 1° de Maio com pedidos de "unidade" e apoio à Venezuela

Havana, 1 mai (EFE).- Cuba festejou nesta segunda-feira o Dia dos Trabalhadores pedindo "unidade", ratificando seu "incondicional" apoio ao governo da Venezuela e reiterando suas reivindicações aos Estadosn Unidos no ato, além de realizar um desfile presidido por Raúl Castro em Havana.

O único orador do ato, o secretário-geral da Central de Trabalhadores de Cuba (CTC, sindicato único), Ulises Guilarte, afirmou que "a unidade" é constituída com "genuínas e contundentes" demonstrações populares de apoio à revolução, ao Partido Comunista da ilha e à sua direção histórica.

Guilarte sustentou que Cuba tem a decisão "inquebrantável" de continuar com a construção de uma nação "soberana, independente socialista, democrática, próspera e sustentável".

Também reiterou as reivindicações de Cuba ao Governo de Estados Unidos para que ponha fim ao bloqueio (embargo) econômico, comercial e financeiro que aplica ao país caribenho e pela devolução do território que ocupa a base naval americana na província oriental Guantánamo.

O líder sindical cubano lembrou as palavras do presidente Raúl Castro, nas quais o governante considerou que Cuba e EUA podem "cooperar e conviver civilizadamente, respeitando as diferenças e promovendo tudo aquilo que beneficie ambos países e povos", mas sem esperar que a ilha realize concessões a sua "independência e soberania".

O secretário da Central de Trabalhadores de Cuba ratificou o apoio de Cuba ao Governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e rejeitou a "manobra política e o assédio diplomático" contra esse país desde a Organização de Estados Americanos (OEA) e outros setores da região.

Em seu discurso prévio ao desfile, Guilarte disse que a comemoração de 1° de maio se converteu em um palco para enaltecer o valor ao trabalho, potencializar as reservas de produtividade e eficiência industrial que permitam gerar maiores riquezas, reduzir os preços e melhorar gradualmente o aumento dos investimentos dos trabalhadores.

Com uma enorme tela com a inscrição "Nossa fortaleza é a Unidade", o principal lema da comemoração dos sindicalistas da ilha, foi dado início ao bloco de manifestantes, integrado por jovens estudantes, na Praça da Revolução havanesa.

Desde a tribuna, autoridades do Governo cubano e mais de 1.630 convidados de 86 países e representantes de 349 organizações sindicais e de solidariedade presenciaram a marcha dos manifestantes que portavam bandeiras cubanas, fotos do líder cubano Fidel Castro e e cartazes de comemoração.

Os sindicatos da ilha dedicaram a comemoração deste ano aos jovens, a apoiar a Venezuela em "sua luta pela soberania e autodeterminação" e a comemorar os 50 anos da morte do guerrilheiro argentino cubano Ernesto "Che" Guevara - celebrada em outubro - e os 55 anos da Juventude Comunista no país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos