Bolsas

Câmbio

Trump assina lei orçamentária e evita paralisação do governo dos EUA

Washington, 5 mai (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta sexta-feira uma lei orçamentária para financiar as agências federais com US$ 1,1 bilhão até a conclusão do atual ano fiscal em setembro, evitando assim uma paralisação parcial das atividades do governo por falta de recursos.

A informação sobre a assinatura da lei foi dada pela secretária-adjunta de Imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders. Trump está desde ontem em sua residência particular na cidade de Bedminster, em Nova Jersey, e hoje não tem atividades públicas em sua agenda.

A lei orçamentária assinada hoje por Trump foi aprovada ontem no Senado, um dia depois de ter obtido a autorização da Câmara dos Representantes. Sem essa ela, que garante US$ 1,1 bilhão às agências federais até o próximo dia 30 de setembro, quando termina o atual ano fiscal, o governo teria que paralisar parcialmente suas atividades a partir desta sexta-feira por falta de recursos.

O acordo bipartidário sobre o orçamento foi firmado após semanas de negociações. Trump insistia na inclusão de verbas para começar a construir o muro na fronteira entre os EUA e o México, uma proposta que era criticada pelos democratas.

Apesar dos recursos para o muro terem ficado de fora do pacto, a Casa Branca considerou a lei orçamentária como uma vitória porque aumenta em US$ 1,5 bilhão o financiamento da segurança na fronteira e também os recursos para o Departamento de Defesa.

A proposta contém também, entre outras coisas, US$ 295 milhões para ajudar Porto Rico em seus programas de assistência sanitária, e verba para a lei de saúde do ex-presidente Barack Obama, conhecida como Obamacare, algo que os republicanos queriam cortar.

Os Institutos Nacionais de Saúde receberão mais US$ 2 bilhões, totalizando US$ 34 bilhões, de acordo com a proposta, que também preserva 99% do orçamento da Agência de Proteção Ambiental (EPA) e aumenta o financiamento para produção de energia limpa. Trump tentava fazer cortes em ambas as áreas.

No balanço final, os democratas conseguiram se impor na elaboração do orçamento, defendendo a maioria de seus objetivos primordiais. Já a Casa Branca disse que a peça orçamentária para o próximo ano fiscal incluirá as demandas de Trump.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos