Bolsas

Câmbio

Agricultores europeus não querem que UE aumente oferta para carne do Mercosul

Bruxelas, 16 nov (EFE).- Os produtores europeus, representados pelo Comitê de Organizações Agrárias e Cooperativas Comunitárias (Copa-Cogeca), expressaram nesta quinta-feira sua preocupação de que a União Europeia (UE) aumente sua oferta agrícola na negociação comercial com o Mercosul em troca de "concessões" em outros setores.

Concretamente, a Copa-Cogeca denunciou em comunicado que a UE prepara-se para melhorar sua oferta para a carne bovina, um dos artigos mais sensíveis para os produtores europeus, um passo que "põe em perigo a saúde pública e os objetivos de mudança climática".

"A UE já fez uma oferta generosa demais para a carne na sua oferta ao Mercosul de acesso a mercados", alertou o responsável da organização europeia, Jean-Pierre Fleury, sobre uma proposta que os países do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) consideraram insuficiente.

Segundo disse, a União Europeia "cogita agora elevar sua oferta para incluir maiores quantidades de carne bovina".

"É escandaloso dar aos consumidores europeus mais carne bovina destes países quando os padrões de segurança não são equivalentes", opinou.

Fleury afirmou que 86% das importações de carne bovina na UE já procedem destes países, "que não cumprem com a mesma qualidade de padrões de traçabilidade que nós".

"Este potencial aumento das exportações de carne bovina do Brasil à UE não é uma boa notícia se os consumidores da UE não querem ser expostos a resíduos de antibióticos utilizados nestes países e proibidos na UE", acrescentou.

O responsável da Copa-Cogeca declarou ainda que, desde a reintrodução de testes microbiológicos, até 22 lotes de carne procedente do Brasil foram parados nas fronteiras europeias por não cumprir os requisitos sanitários comunitários.

Por isso, a organização de produtores europeus apresentou hoje uma série de recomendações à Comissão Europeia a fim de melhorar e ampliar o alcance das auditorias e publicar "toda a informação relacionada com o setor da carne bovina".

Por sua parte, o secretário-geral da Copa-Cogeca, Pekka Pesonen, destacou que "são necessários acordos comerciais que garantam também que nosso mercado não tenha um excesso de provisões".

"É absurdo que a UE tenha que fazer concessões substanciais em carne bovina, açúcar e etanol quando ao mercado da UE não lhe falta matéria-prima agrícola e não sabemos o resultado das negociações do 'Brexit' ainda", comentou.

Além disso, Pesonen disse que têm igualmente "grave preocupação" pela inclusão do suco de laranja no acordo, já que a UE "já importa enormes volumes destes países e não consegue reciprocidade deles".

"Não podemos permitir que haja padrões duplos no mercado único", salientou.

Por último, se referiu ao fato de que um potencial acordo com o Mercosul "teria um impacto negativo sobre no clima", e se referiu, por exemplo, ao desmatamento que o Brasil sofreu nos últimos 20 anos devido a um "aumento agudo da sua produção agrícola".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos