ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Violência que vimos fora do Congresso foi claramente orquestrada, diz Macri

19/12/2017 14h25

Buenos Aires, 19 dez (EFE).- O presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse nesta terça-feira que a violência vivida ontem nos arredores do Congresso, enquanto era debatida uma polêmica reforma da previdência impulsionada pelo Governo, foi "claramente orquestrada" e "premeditada" e buscou o não funcionamento do Parlamento.

"Toda essa violência que vimos, claramente orquestrada, vamos enfrentar junto com a Justiça para entender quem são os responsáveis, porque não foi algo espontâneo", expressou o chefe de Estado em entrevista coletiva na Casa Rosada, sede do Governo em Buenos Aires.

A Câmara de Deputados aprovou hoje, em meio a uma greve geral e após 17 horas de debate, a reforma do sistema de previdência impulsionada pelo Governo que, com uma forte rejeição social, sindical e política, provocou grande violência nas ruas, com enfrentamentos entre a população e a polícia que terminaram com mais de 100 feridos - metade policiais - além de dezenas de detidos.

"São muitas as reformas que temos que encarar para construir a Argentina que inclua todos. (...) Todas estas mudanças geram incômodos, mas são necessárias. Estamos no caminho correto", disse o presidente, que reiterou que seu principal objetivo de Governo é lutar contra a pobreza com dois eixos prioritários: cuidar da infância e da terceira idade.

Consultado sobre quem acha que organizou essa violência protagonizada por grupos de pessoas que começaram jogar pedras na polícia - após destroçar fontes e outros elementos urbanos -, o governante disse não querer influenciar na investigação da justiça.

"Mas fica claro que há deputados que incitaram à violência", sentenciou.

Perante os distúrbios, a polícia começou a disparar balas de borracha e lançar bombas de gás lacrimogêneo.

"Não há nada que justifique a violência. Podemos opinar diferente, debatemos e seguimos adiante. (...) O que aconteceu ontem não pode ser natural e por isso me surpreende por não ter escutado uma maior condenação de líderes da oposição e dirigentes importantes", sentenciou o presidente.

Além disso, lamentou que "senhores bem organizadoa para o mal e a violência" agrediram "de semelhante maneira" os policiais.

"Que também são argentinos e têm suas famílias e trabalham para cuidar de nós", acrescentou, lamentando que "há dirigentes que justificam isso".

Os fatos das últimas horas ocorreram apenas dias depois que na quinta-feira, quando o projeto seria debatido em outra sessão, ocorreu um enfrentamento entre gendarmes e manifestantes que deixou vários feridos e detidos.

"Acho que temos que aprender a respeitar nossas forças de segurança", disse Macri.

Mais Economia