ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq fazem 1ª "trinca" de recordes de 2018

03/01/2018 20h02

Nova York, 3 jan (EFE).- Os três principais índices de Wall Street registraram nesta quarta-feira a primeira "trinca" de recordes de 2018, em um dia em que as atenções dos investidores estiveram voltadas à divulgação das atas da última reunião do Federal Reserve (Fed), que aconteceu em meados de dezembro.

O Dow Jones Industrial subiu 0,4%, para 24.922,68 pontos, o S&P 500 avançou 0,64%, para 2.713,06, e o Nasdaq Composite teve ganho de 0,84% e fechou aos 7.065,53, em todos os casos marcas inéditas.

Desta forma, o S&P 500 superou pela primeira vez a barreira de 2.700 pontos, o índice composto da Nasdaq se manteve acima de 7.000 pontos e o Dow Jones ficou a menos de 80 de cruzar o limite dos 25.000 pontos.

Segundo as atas do Fed, a maioria dos participantes da reunião de dezembro avaliou que as perspetivas de mudanças na política federal de impostos foram um fator que liderou o aumento das projeções do crescimento do PIB dos Estados Unidos para os dois próximos anos, o que estimulou o bom humor dos investidores.

No Dow Jones, as principais altas foram dos títulos de IBM (2,76%), Exxon Mobil (1,96%), United Technologies (1,47%), UnitedHealth (1,05%), Visa (1,00%), Johnson & Johnson (0,96%), General Electric (0,89%), Walmart (0,87%) e Cisco Systems (0,80%).

A queda mais acentuada foi das ações da Intel (-3,39%), após a notícia de que um defeito de segurança em milhões de chips fabricados pela empresa obrigará gigantes como Microsoft, Linux e Apple a atualizar seus sistemas operacionais. Também caíram de forma expressiva os papéis de Verizon (-2,05%), Goldman Sachs (-0,97%), McDonald's (-0,42%), Coca-Cola (-0,22%) e Merck (-0,14%).

No fechamento do pregão, a onça do ouro subia para US$ 1.316,80, e a rentabilidade dos títulos da dívida pública americana com vencimento em 10 anos caía para 2,444%.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia