ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

UE diz estar pronta para agir se EUA tomar medidas comerciais prejudiciais

29/01/2018 10h56

Bruxelas, 29 jan (EFE).- A União Europeia (UE) afirmou nesta segunda-feira estar preparada para reagir a qualquer medida comercial restritiva imposta pelos Estados Unidos, depois que o presidente Donald Trump qualificou a postura comercial dos Vinte e Oito de "injusta" com seu país.

"A UE está preparada para reagir rapidamente e apropriadamente caso as nossas exportações sejam afetadas por qualquer medida restritiva de comércio por parte dos Estados Unidos", afirmou hoje o porta-voz da Comissão Europeia (CE), Margaritis Schinas, durante a coletiva de imprensa diária da instituição.

Em uma entrevista ao canal britânico "ITV" gravada na quinta-feira em Davos (Suíça) e transmitida ontem, Trump disse ter tido "muitos problemas com a União Europeia" e sua política comercial com os EUA, que é "muito injusta".

Schinas apontou hoje que para a UE, a política comercial não é "um jogo de soma zero" e nem tem "ganhadores e perdedores", senão que "pode e deve ser benéfica para ambas as partes".

"Também acreditamos que o comércio deve ser aberto e justo, mas também baseado em regras", acrescentou o porta-voz, que rejeitou especificar como a UE reagiria perante algumas medidas comerciais prejudiciais para as exportações por parte dos EUA se estas chegarem a ocorrer.

Desde a chegada de Trump à Casa Branca, a administração americana defendeu tese comerciais com tendência ao protecionismo e, como resultado, as negociações para alcançar um acordo de livre-comércio com a UE, conhecido como o TTIP, permanecem bloqueadas.

"As conversas sobre o TTIP pararam de forma efetiva. A UE necessita assegurar que há um nível suficiente de ambição comum e pontos em comum antes de decidir se e como procedemos com novas negociações", disse o porta-voz comunitário de Comércio, Daniel Rosario.

No entanto, Rosario sublinhou que a UE permanece comprometida com os EUA para trabalhar lado a lado por uma agenda transatlântica "ambiciosa, positiva e que beneficie ambos".

Mais Economia