ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 1.Ago.2018
Topo

Dow Jones fecha em alta de 1,37%

05/03/2018 19h07

Nova York, 5 mar (EFE).- O índice Dow Jones Industrial fechou nesta segunda-feira em alta de 1,37%, à medida que se dissipam os temores de uma guerra comercial suscitada pelas tarifas anunciadas na semana passada pelos Estados Unidos.

Ao final do pregão, o principal indicador da bolsa de Nova York somou 336,70 pontos e ficou com 24.874,76. Já o seletivo S&P 500 subiu 1,1%, até 2.720,94, enquanto o índice composto da Nasdaq avançou 1%, para 7.330,70 pontos.

As tarifas às importações de aço (25%) e alumínio (10%) anunciadas na quinta-feira pelo presidente Donald Trump sacudiram a Bolsa de Nova York, onde as produtoras viram subir seu valor e as ações das empresas que utilizam metais caíram, embora hoje os investidores respirassem mais tranquilos.

Após uma abertura com números vermelhos, os três indicadores subiam na metade do pregão e o Dow foi apagando as perdas das últimas quatro sessões, impulsionado por uma das empresas potencialmente afetadas pela medida, a fabricante de maquinaria Caterpillar.

Os setores da Bolsa de Nova York operavam em terreno positivo, com o das empresas de serviços públicos à frente (1,51%), seguido pelos de bens de consumo não cíclico (1,20%), o tecnológico e o financeiro (0,94%), o industrial (0,93%) e o sanitário (0,92%).

Entre os 30 componentes do Dow Jones, os lucros foram puxados justamente pela Caterpillar (3,24%), uma das que tinha sido mais prejudicada após o anúncio, bem como a Boeing, que nesta manhã ainda se ressentia, embora tenha acabado em segundo lugar (2,34%), na frente da General Electric (2,12%).

Fosse desse grupo, a General Motors (0,83%) e a Ford (1,73%) pareciam impermeáveis aos comentários dos analistas do Goldman Sachs, que estimaram na sexta-feira um impacto negativo de US$ 1 bilhão para cada uma se as tarifas forem aplicadas.

Em outros mercados, a onça ouro caía para US$ 1.321,00, enquanto a rentabilidade do bónus do Tesouro a 10 anos avançava até 2,883%. EFE

nqs/rsd

Mais Economia