ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

ONU: Investimento em energia solar bate recorde em 2017

05/04/2018 10h46

Nairóbi, 5 abr (EFE).- O investimento mundial em energia solar voltou a bater em 2017 um novo recorde, com US$ 160,8 bilhões, 18% mais que em qualquer outra energia (renovável, fóssil ou nuclear), e com a China à frente nesse terreno, segundo um relatório divulgado hoje pela ONU Meio Ambiente.

O relatório Tendências Globais de Investimento em Energia Renovável 2018, divulgado pela ONU Meio Ambiente junto com a Escola de Frankfurt e a Bloomberg New Energy Finance, explica que a energia solar forneceu 98 gigawatts (GW) em 2017, número maior do que a soma líquida das demais renováveis, fóssil e nuclear.

E representou 57% do investimento total em todas as energias (excluindo as grandes hidrelétricas), calculado em US$ 279,8 bilhão.

A China está à frente dessas despesas com uma contribuição "sem precedentes" de 53 GW - mais da metade do total - e US$ 86,5 bilhões investidos no setor (58% do total).

"O extraordinário crescimento do investimento global em energia solar mostra tudo o que se pode conseguir quando nos comprometemos com o crescimento sem prejudicar o planeta", afirmou o chefe do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Erik Solheim, em comunicado.

A China também lidera o investimento em energias renováveis, com US$ 126,6 bilhões, 31% mais que em 2016.

Junto com o gigante asiático, Austrália, México e Suécia também aumentaram seus investimentos em energia renovável em 147%, 810% e 127% mais que em 2016, respectivamente.

"O mundo acrescentou mais capacidade energética com a energia solar que com o produzido por carvão, gás e nuclear juntos", explicou o presidente da Escola de Frankfurt, Nils Stieglitz.

Apesar da tendência ascendente na aposta em renováveis, Estados Unidos e Europa diminuíram seu investimento, com 6% menos no caso americano, e 36% menos no europeu.

Dentro da Europa, os principais países que retiraram investimentos em energias "limpas" em 2017 foram Reino Unido (65% menos) e Alemanha (35%).

O investimento japonês também caiu 28%.

Mais Economia