ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Chanceler mexicano diz que tensão com EUA não afeta negociação do Nafta

06/04/2018 16h18

Cidade do México, 6 abr (EFE).- A tensão diplomática da última semana entre México e Estados Unidos não afetou negativamente a renegociação do Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta), garantiu o chanceler do país, Luis Videgaray.

"Até agora não teve nenhum efeito negativo sobre a renegociação do Nafta. Na noite de ontem, a reunião entre negociadores foi em tom muito construtivo. Esperamos que seja assim hoje", disse o chanceler em entrevista a uma rádio mexicana.

Participaram das reuniões a ministra de Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, o representante de Comércio Exterior dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, e o secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo.

"A negociação continua, o diálogo continua. Há um alto grau de avanço", afirmou Videgaray sobre as discussões do Nafta.

O presidente do México, Enrique Peña Nieto, publicou ontem uma mensagem em vídeo na qual pedia que o presidente dos EUA, Donald Trump, não descontasse sua "frustração política" no país vizinho.

A mensagem foi uma resposta às críticas de Trump à caravana de imigrantes centro-americanos que percorre o México desde 25 de março. Para impedir que essas pessoas entrassem nos EUA, o presidente americano anunciou o envio de 4 mil homens da Guarda Nacional para a fronteira entre os dois países.

O chanceler afirmou que não há previsão para que Peña Nieto se reúne com Trump na próxima Cúpula das Américas, entre os dias 13 e 14 de abril, no Peru.

O Senado mexicano exigiu na quarta-feira que Trump respeite o povo mexicano e pediu que Peña Nieto suspenda a cooperação em imigração e em investigação sobre o crime organizado enquanto o presidente americano não mude de postura.

Questionado sobre a suspensão da cooperação, Videgaray disse que a segurança do México não será colocada em risco. Para ele, cancelar o trabalho conjunto com os EUA "deixaria portas abertas para organizações criminosas".

Mais Economia