ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

CE toma nota da prorrogação dos EUA e adverte que não negociará sob ameaça

01/05/2018 04h42

Bruxelas, 1 mai (EFE).- A Comissão Europeia (CE) "tomou nota" nesta terça-feira da decisão do governo dos Estados Unidos de prorrogar para mais um mês a isenção de tarifas sobre as importações europeias de aço e alumínio e advertiu que a União Europeia "não negociará sob ameaça".

"A decisão dos EUA prolonga a incerteza dos mercados, que já está afetando as decisões das empresas", criticou o Executivo comunitário em comunicado.

A CE indicou nesse contexto que os 28 deveriam desfrutar de uma isenção "plena e permanente" já que as medidas que a administração dos EUA ameaça aplicar "não podem ser justificadas com base na identidade nacional".

Nesse contexto, a Comissão recordou que "o excesso de capacidade nos setores do aço e do alumínio não é originário da UE", mas "pelo contrário, a UE se comprometeu nos últimos meses a todos os níveis possíveis com os EUA e outros parceiros para encontrar uma solução neste assunto".

Bruxelas também enfatizou que a União "continuamente" indicou sua disposição de abordar todas as questões sobre o atual acesso aos mercados de interesse para ambas as partes, mas também deixou claro que, como parceiro e amigo dos Estados Unidos, "não negociará sob ameaça".

"Qualquer futuro programa de trabalho transatlântico tem que ser equilibrado e mutuamente benéfico", completou.

O executivo da UE indicou que a comissária Europeia do Comércio, Cecilia Malmstrom, esteve em contato nas últimas semanas com o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, e com o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, e que esses contatos "continuarão".

O presidente americano, Donald Trump adiou ontem em um mês a imposição de tarifas ao aço e alumínio aos países da União Europeia, México e Canadá; umas tarifas isentavam a Argentina, Brasil e Austrália, segundo anunciou a Casa Branca.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia