ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Chelsea Manning faz alerta sobre avanço do totalitarismo através da internet

02/05/2018 11h02

Berlim, 2 mai (EFE).- A ex-soldado americana Chelsea Manning, fonte da filtragem em massa de documentos confidenciais do Governo dos EUA à plataforma Wikileaks, alertou nesta quarta-feira sobre um "avanço acelerado para o totalitarismo" escorado nos motores de busca de internet e nos sistemas de armazenamento de dados.

"Não acredito que o Google e o Facebook estejam armazenando dados acidentalmente. Os algoritmos não são neutros", afirmou Manning na jornada inaugural do fórum "Re:publica", realizado até a próxima sexta-feira em Berlim e que reúne especialistas em redes sociais e bloggers.

É "imperiosamente necessário" e "urgente" buscar as vias para que os desenvolvedores destes sistemas assumam sua "responsabilidade" sobre os funcionamento dos mesmos, prosseguiu Manning, para quem a rápida evolução dos últimos anos destes instrumentos evidenciam "o seu alto grau de periculosidade".

"É preciso deter esta evolução", proclamou Manning, que foi recebido pelo auditório como um ídolo, tanto por ter filtrado então esses documentos ao WikiLeaks como por sua trajetória pessoal posterior e sua decisão de assumir publicamente a condição de transgênero.

A analista informática abriu com seu discurso os trabalhos do "Re:publica", cujo programa contém até 500 horas de discursos e debates, presenciais ou virtuais, e a participação de até 950 conferentes.

Manning, de 30 anos, foi condenada em 2013, então ainda como soldado Bradley Manning, a 35 anos de prisão como responsável das maiores filtragens de documentos confidenciais da história dos EUA.

Após a vitória eleitoral de Donald Trump, o ainda presidente Barack Obama comutou a condenação pelo tempo cumprido e foi libertada da prisão militar do Kansas, onde cumpria sua sentença. EFE

gc/ff

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia