Topo

Dow Jones fecha em alta de 0,51%

2019-01-10T20:10:00

10/01/2019 20h10

Nova York, 10 jan (EFE).- O índice Dow Jones Industrial fechou nesta quinta-feira em alta de 0,51%, após outra jornada volátil, marcada por alguns dados corporativos e por um discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos).

Ao final do pregão, o principal indicador da Bolsa de Nova York somou 122,80 pontos e chegou a 24.001,92. Já o seletivo S&P 500 subiu 0,45%, até 2.596,64, enquanto o Nasdaq Composite avançou 0,42%, para 6.986,07 pontos.

Por setores, os avanços mais notáveis aconteceram no imobiliário (1,55%), no industrial (1,44%) e no de empresas de serviços públicos (1,41%), enquanto o único recuo foi registrado no de bens não essenciais (-0,23%).

Os operadores do pregão nova-iorquino começaram o dia de hoje desanimados com os números da campanha natalina da gigante do varejo Macy's, à qual castigaram com sua pior queda na bolsa (-17,7%), e com o rebaixamento na previsão de vendas que a companhia aérea American Airlines fez para o seu último trimestre.

Os investidores já estão na expectativa pelo novo rodízio de resultados corporativos que começa na semana que vem, quando grandes bancos divulgarão suas contas, e no qual temem que se reflita uma desaceleração do crescimento econômico nos EUA.

Com o prolongado fechamento do governo como cenário de fundo, e a notícia que por esse motivo o presidente Donald Trump não irá ao Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, o contraponto positivo da jornada veio do Fed.

O presidente do banco central americano, Jerome Powell, reforçou hoje que a instituição pode ser "paciente" e "flexível" na sua política de ajuste monetário, em declarações após as quais Wall Street encontrou o rumo.

Dessa forma, o grupo de 30 empresas que cotam no Dow Jones ficou dividido entre os lucros de Boeing (2,55%), Caterpillar (2,06%), Travelers (1,34%) e Intel (1,17%) e os retrocessos de Pfizer (-2,38%), Merck (-1,23%) e Microsoft (-0,64%).

Em outros mercados, a onça do ouro caía para US$ 1.287, enquanto a rentabilidade do bônus do Tesouro a 10 anos avançava até 2,744%. EFE

Mais Economia