Topo

UE afirma que espera esclarecimentos do Mercosul após chegada de Bolsonaro

2019-01-11T12:37:00

11/01/2019 12h37

Bruxelas, 11 jan (EFE).- A União Europeia (UE) está à espera de que o Mercosul realize os "ajustes necessários" após a chegada de Jair Bolsonaro à presidência e esclareça quais serão as implicações do novo governo brasileiro na negociação do acordo comercial entre os blocos.

"Há um novo presidente e um novo governo desde o início do ano e acreditamos que estas semanas são úteis para obter os necessários ajustes e esclarecimentos por parte do Mercosul sobre o que isto implica", declarou um porta-voz da Comissão Europeia, instituição que negocia o acordo em nome da UE.

Por outro lado, o porta-voz se recusou a especular sobre qual poderia ser o impacto do governo de Bolsonaro nas negociações entre a UE e o bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

A Comissão Europeia, segundo reiterou o porta-voz, está comprometida com a consecução de um acordo "ambicioso, amplo e equilibrado" e "não poupará esforços", mas o pacto só será fechado "quando se deem as condições" para isso.

Quanto à data para as próximas reuniões, o porta-voz comunitário ressaltou que o Mercosul deve primeiro "implementar os ajustes para refletir estas mudanças (de governo no Brasil) e proporcionar os esclarecimentos necessários".

O porta-voz afirmou ainda que durante a última rodada negociadora, realizada em dezembro no Uruguai, "foram feitos alguns esclarecimentos adicionais úteis", mas que continua sendo necessário mais trabalho em nível técnico, "sobretudo em temas pendentes para a UE".

A chegada de Bolsonaro à presidência trouxe novas questões sobre o futuro de negociações que estão em andamento há quase duas décadas, em particular pela sua dura oposição pessoal às políticas ambientais.

Nesse sentido, o presidente da França, Emmanuel Macron, já advertiu em novembro que o Mercosul teria que considerar o impacto do governo de Bolsonaro sobre as negociações e que seu país não é favorável a assinar acordos comerciais com nações que não respeitam o Acordo do Clima de Paris.

Por sua parte, Bolsonaro advertiu que usará a "prudência" antes que o país assine qualquer acordo comercial com outras nações.

Além disso, o novo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, sugeriu que sejam estabelecidos novos métodos negociadores e advertiu que o Brasil negociará a partir de agora "de uma posição de força", aproveitando sobretudo seu poder como produtor de alimentos. EFE

Mais Economia