PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

China cria lista de "empresas não confiáveis" após veto dos EUA a Huawei

31/05/2019 10h53

Pequim, 31 mai (EFE).- A China anunciou nesta sexta-feira o estabelecimento de uma "lista de entidades não confiáveis" na qual incluirá empresas, organizações e pessoas estrangeiras que "prejudicam gravemente os direitos e interesses legítimos de companhias chinesas", de acordo com informações divulgadas pelo Ministério do Comércio.

O ministério, no entanto, não especificou o que acontecerá com as companhias que figurarem na lista, mas disse que as "medidas específicas serão anunciadas em breve".

O porta-voz da instituição, Gao Feng, explicou que serão incluídas na lista as entidades e pessoas que "não cumpram com as regras do mercado ou imponham um bloqueio ou confisquem empresas chinesas para propósitos não comerciais, o que prejudica gravemente seus direitos e interesses legítimos".

O estabelecimento desta lista negra foi anunciado duas semanas depois de Washington incluir a Huawei, acusada de ser um perigo para a segurança nacional, em uma lista de companhias e pessoas que têm o acesso proibido à tecnologia americana.

Embora não tenha se referido diretamente ao caso, Gao justificou a decisão ao assegurar que "com propósitos não comerciais, algumas entidades estrangeiras violam as regras normais do mercado (...) e impõem bloqueios e outras medidas discriminatórias contra companhias chinesas".

Esses fatos, acrescentou o porta-voz, "põem em perigo a segurança nacional e os interesses da China e ameaçam as cadeias industriais e de fornecimento em nível mundial", o que gera "um impacto negativo na economia global e menospreza os interesses de empresas relacionadas e consumidores".

Pequim acredita que, com esta medida, está "protegendo as regras econômicas e comerciais internacionais e o sistema comercial multilateral", e "opondo-se ao unilateralismo e ao protecionismo comercial", termos que foram incluídos na retórica utilizada pelo regime comunista desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, deu início à guerra tarifária.

Nos últimos dias, a China ameaçou os Estados Unidos através da imprensa oficial e dos porta-vozes ministeriais com diversas "contramedidas" e represálias após a ruptura temporária das negociações para resolver a guerra comercial.

Enquanto Pequim tinha respondido às novas tarifas dos Estados Unidos também com a elevação das taxas às importações do país americano, o protesto pelo veto a Huawei tinha sido limitado até agora a queixas formais sobre o que consideram um "abuso da segurança nacional" e uma "sanção comercial unilateral".

A resposta de Washington não foi favorável aos protestos chineses e, de fato, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, advertiu nesta sexta-feira a seus parceiros europeus que mudará a "conduta" relativa às informações compartilhadas com eles se não tomarem medidas contra a Huawei. EFE