PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Chanceler argentino chora em áudio ao informar Macri sobre acordo com UE

28/06/2019 17h17

Buenos Aires, 28 jun (EFE).- A primeira reação do presidente da Argentina, Mauricio Macri, após a assinatura do acordo de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia (UE) nesta sexta-feira foi publicar uma mensagem de voz do chanceler Jorge Faurie, que se mostrou emocionado ao comemorar a conclusão das negociações, que duraram 20 anos.

"Presidente, o felicito. Em sua presidência, foi conseguido (o acordo) após 20 anos de negociação. Temos o acordo UE-Mercosul", disse um Faurie às lágrimas, em um áudio enviado a Macri pelo aplicativo WhatsApp.

Macri divulgou a mensagem no Twitter e classificou o acordo como histórico. Candidato à reeleição nas eleições presidenciais de 27 de outubro, o presidente argentino tinha como um dos principais objetivos selar o acordo com a UE.

Em comunicado, o governo da Argentina descreveu o pacto como "um dos mais importantes da história em nível mundial" e um "marco para a inserção internacional" do país pelo potencial de ampliar as exportações das economias do Mercosul e consolidar as empresas argentinas na cadeia econômica global.

"(O acordo) promove a chegada de investimentos, acelera o processo de transferência tecnológica e aumenta a competitividade da economia. São ações que projetam um aumento do produto interno bruto", destacou o governo da Argentina na nota.

"É resultado de um esforço de diálogo, coordenação e entendimento, tanto entre os países-membros do Mercosul, assim como entre os governos locais e seus setores privados, câmaras setoriais e associações sindicais", acrescentou o governo da Argentina.

A assinatura do acordo ocorreu enquanto os principais líderes do Mercosul, entre eles o presidente Jair Bolsonaro, e os da UE estão em Osaka, no Japão, para a cúpula anual do G20.

O Mercosul é composto por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai - a Venezuela está suspensa. Já a UE é formada por 28 países, mas tem o Reino Unido em processo de saída do bloco. EFE