IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Barril do Texas fecha em alta de 0,3%

08/07/2019 17h08

Nova York, 8 jul (EFE).- O barril de Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou em alta de 0,3% nesta segunda-feira, cotado a US$ 57,66, em um dia marcado pela incerteza gerada pela tensão entre o Irã e os Estados Unidos, sobretudo depois que Teerã afirmou ter retomado o enriquecimento de urânio.

Ao final das operações da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do WTI para entrega em agosto subiram US$ 0,15 com relação fechamento de sexta-feira.

Os preços do petróleo do Texas subiram hoje devido às tensões sobre o programa nuclear do Irã, mas a alta foi limitada pelas preocupações quanto ao crescimento econômico mundial e, por conseguinte, pela demanda de petróleo, segundo os analistas.

O Irã comunicou ontem que começou a enriquecer urânio a uma pureza superior a 4,5% depois do fim do ultimato de 60 dias que as autoridades de Teerã fizeram aos signatários europeus do acordo nuclear para compensar o impacto da saída unilateral dos EUA.

Washington prometeu nesta segunda-feira que continuará com a campanha de "pressão máxima" sobre o Irã, que foi acusado de "extorsão nuclear", depois que Teerã confirmou que está enriquecendo urânio acima do estipulado no acordo multilateral de 2015.

Um alto funcionário americano, que pediu anonimato, disse à Agência Efe que "os líderes iranianos estão usando o enriquecimento para transformar o mundo inteiro em refém mediante extorsão nuclear".

"O regime iraniano demonstrou mais uma vez que o horrível acordo nuclear do Irã não faz nada para evitar que Teerã ameace a paz e a segurança internacional em qualquer momento que desejar", afirmou o funcionário.

Em paralelo, os preços do petróleo continuam afetados pelas preocupações persistentes sobre a demanda, já que a guerra comercial entre EUA e China debilitou as perspectivas de crescimento econômico mundial, um assunto ainda por resolver.

Nesse contexto, os contratos de gasolina com vencimento em agosto caíram US$ 0,02, para US$ 1,90 o galão, enquanto os de gás natural com vencimento no mesmo mês diminuíram de US$ 0,01, até em US$ 2,40 por cada mil pés cúbicos. EFE

Economia