IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Caravana de táxis percorre Assunção para exigir suspensão da Uber

10/07/2019 16h15

Assunção, 10 jul (EFE).- Uma caravana de táxis percorreu nesta quarta-feira as ruas de Assunção para alertar sobre a perda de postos de trabalho e exigir a suspensão dos aplicativos de transporte de passageiros como Uber.

Fazendo uso de buzinas e com os pisca-alertas ligados, os tradicionais veículos amarelos circularam desde o centro da capital do Paraguai até a Câmara Municipal, onde de manhã foram apresentados dois projetos para a criação de um decreto sobre o transporte de passageiros em veículos privados.

"Nós vamos seguir com a luta para derrubar todo este sistema", afirmou à Agência Efe o secretário-geral da Associação de Profissionais Taxistas de Assunção, Francisco Brite.

"As leis que regem esses países deixaram a Uber de lado, e aqui não vamos parar até que eles deixem o país", acrescentou.

Os taxistas protagonizaram várias mobilizações desde dezembro do ano passado, quando a Uber, presente em 65 países e em mais de 600 cidades de todo o mundo, começou a operar no Paraguai.

Além disso, desde meados de 2017 está no mercado a plataforma Muv, outra companhia que oferece transporte através de um aplicativo, mas que neste caso foi criada por um paraguaio

"É uma questão social que vai afetar muitas famílias paraguaias, não somente em Assunção, mas em todo o país", advertiu Brite.

Segundo seus cálculos, o estabelecimento dos aplicativos de transporte poderia tirar 1,5 mil motoristas de seus postos de trabalho como taxistas na capital paraguaia, o que representa a metade dos funcionários deste setor na cidade.

"Isso é uma ditadura do mercado", denunciou Brite, que acusou os responsáveis da Uber de estarem por trás de uma campanha na imprensa para, segundo ele, "atacar como se (os taxistas) fossem os piores párias do país".

Brite anunciou que será solicitado um subsídio ao governo, como o pago a outros meios de transporte públicos, para atenuar os efeitos da "concorrência desleal" dos novos aplicativos. EFE

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia