PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Acionistas processam Netflix por previsão enganosa de alta de assinantes

23/07/2019 19h28

San Francisco (EUA), 23 jul (EFE).- Dois grupos de acionistas do Netflix decidiram processar a empresa por considerar que foram enganados pelas previsões de novos clientes feitas pela empresa e que não se concretizaram nos resultados divulgados na última semana.

Os escritórios de advocacia Rosen Law Firm e Schall Law Firm, ambos especializados na defesa de investidores, apresentaram as ações coletivas em tribunais do estado da Califórnia contra a Netflix. Também são alvos do processo o executivo-chefe da empresa, Reed Hastings, e o conselheiro financeiro, Spencer Neumann.

Os acionistas acusam a Netflix de burlar as regras da Comissão de Títulos e Câmbio (SEC) dos Estados Unidos (SEC) por não informar com antecipação que as expectativas projetadas não seriam cumpridas. A empresa só informou que não obteve os clientes previstos na semana passada, quando apresentou seus resultados do último trimestre.

A Netflix ganhou 2,7 milhões de novos assinantes em nível mundial no segundo trimestre de 2019, pouco mais da metade dos 5 milhões que previa para o período.

Além disso, pela primeira vez em oito anos, a plataforma perdeu assinantes nos Estados Unidos, o maior mercado da Netflix, gerando pânico na bolsa de valores. Nas operações eletrônicas posteriores ao fechamento do pregão no dia da divulgação dos resultados, as ações da empresa caíram 13%.

Os acionistas alegam que a desvalorização dos papéis da empresa poderia ter sido mitigada se a Netflix tivesse avisado com antecedência que os números estavam sendo piores que o esperado.

Nas ações coletivas, os investidores acusam a Netflix e seus diretores de terem feito comentários "claramente falsos ou enganosos" e de esconderem informações da empresa nos últimos meses.

Além dos números negativos de assinantes, a Netflix anunciou na semana passada que teve um lucro de US$ 614,7 milhões nos seis primeiros do ano, uma queda de 8,8% em relação ao mesmo período de 2018. EFE