IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Dow Jones cai antes de definição de juros nos EUA e após Trump criticar China

30/07/2019 21h43

Nova York, 30 jul (EFE).- Na véspera da definição do Federal Reserve (Fed) sobre os rumos dos juros nos Estados Unidos, Wall Street registrou quedas nesta terça-feira em seus três indicadores, um sinal de pessimismo após o presidente do país, Donald Trump, acusar a China de "não cumprir" o que é estipulado nas negociações comerciais com o governo americano.

O principal indicador da Bolsa de Nova York caiu 0,09%, para 27.198,02 pontos. O seletivo S&P 500 recuou 0,26%, para 3.013,18, e o índice composto da Nasdaq fechou em baixa de 0,24%, aos 8.273,61 pontos.

Representantes de EUA e China se reuniram hoje em Xangai na primeira rodada de negociações comerciais após o encontro de 29 de junho de Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, na cúpula do G20 em Osaka, no Japão.

Entretanto, Trump escreveu nesta terça no Twitter que Pequim "sempre muda o estipulado" em benefício próprio e ameaçou o gigante asiático com uma posição mais dura em comércio bilateral se ele ganhar as eleições presidenciais de 2020.

Eram esperados avanços modestos nessas conversas, mas agora analistas políticos apontam que há menos esperanças de que as duas potências consigam um acordo comercial.

Além disso, o pregão nova-iorquino monitorou notícias sobre a reunião Comitê Federal de Mercado Aberto do Fed que termina amanhã e após a qual há uma expectativa de que o banco central americano anuncie a primeira redução dos juros básicos em dez anos.

No plano corporativo, os investidores reagiram positivamente aos resultados trimestrais de duas multinacionais cotadas no Dow Jones Industrial: Procter & Gamble (P&G) e Merck. As ações da primeira tiveram a maior alta do dia no indicador (3,80%), e as da segunda subiram 0,95%. Outro destaque do dia no Dow Jones foram so títulos da Boeing (2,13%).

Já as quedas mais acentuadas foram dos papéis de Pfizer (-6,42%), Intel (-1,54%), Verizon (-1,29%), McDonald's (-1,23%), Caterpillar (-1,12%) e Disney (-1%).

No horário do fechamento da bolsa, a onça do ouro subia para US$ 1.431,20, e a rentabilidade dos treasuries de 10 anos aumentava para 2,061%. EFE

Mais Economia