IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

França oferece aos britânicos a possibilidade de apresentar candidato ao FMI

01/08/2019 11h19

Paris, 1 ago (EFE).- O governo da França, que coordena os trabalhos entre os países-membros da União Europeia (UE) para que o bloco comunitário apresente um candidato único para gerenciar o Fundo Monetário Internacional (FMI), ofereceu nesta quinta-feira aos britânicos a possibilidade de indicar um candidato para o posto.

O Ministério de Economia e Finanças francês indicou que seu titular, Bruno Le Maire, aceitou que o processo de votação aconteça nesta sexta-feira com o objetivo de deixar tempo para que o Reino Unido apresente um candidato até esta noite se assim desejar.

A decisão foi tomada levando em conta a mudança de governo no Reino Unido depois que, no último dia 24 de julho, Boris Johnson substituiu Theresa May como primeiro-ministro.

Até o momento há cinco nomes na lista da qual deverá sair um candidato único, entre os quais estão a ministra de Economia espanhola, Nadia Calviño, e o presidente do Eurogrupo, o português Mário Centeio.

Também estão no páreo um ex-presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem; o presidente do Banco Central da Finlândia, Olli Rehn, e a diretora-executiva do Banco Mundial, a búlgara Kristalina Georgieva.

Le Maire realizou nesta quinta-feira uma conferência telefônica com seus homólogos da UE para avançar na negociação, diante da falta de consenso em torno de um nome.

O ministério francês também informou que os cinco candidatos expressaram seu desejo de manter sua candidatura e ressaltou que todas foram consideradas "legítimas e de excelente qualidade".

Para evitar que as discussões se prolonguem, os países comunitários aceitaram que o candidato seja eleito por votação, que poderia ser efetuada em várias rodadas se for necessário.

A vaga aberta na gerência do FMI é consequência da escolha da francesa Christine Lagarde para presidir o Banco Central Europeu (BCE), em substituição do italiano Mario Draghi.

Durante a reunião de ministros de Finanças do G7 realizada nos últimos dias 17 e 18 de julho em Chantilly, ao norte de Paris, Le Maire antecipou que os países europeus buscariam uma candidatura "de consenso, que seja sólida, crível, e que permita à Europa continuar dirigindo o FMI".

Entre os nomes que apareceram nas apostas em meados de julho estavam o ex-ministro britânico George Osborne e o atual presidente do Banco da Inglaterra, o anglo-canadense Mark Carney, que não foram incluídos na lista de cinco apresentada pela França. EFE

Economia