IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Irã retém outro navio estrangeiro por contrabando de combustível

04/08/2019 10h52

(Atualiza com mais detalhes).

Teerã, 4 ago (EFE).- A Força Naval da Guarda Revolucionária do Irã anunciou neste domingo que reteve outro navio-tanque "estrangeiro" que realizava atividades de contrabando de combustível perto da ilha de Farsi, no golfo Pérsico.

O navio transportava 700 mil litros de combustível de contrabando, segundo um comunicado da corporação militar de elite iraniana, que não detalhou a bandeira do cargueiro nem a nacionalidade da tripulação.

Um comandante da Guarda Revolucionária, Ramezan Zirahi, explicou à agência "Fars" que a detenção aconteceu na quarta-feira passada durante a noite, quando o cargueiro estava recebendo combustível de outros navios para depois transportá-lo a "países árabes do golfo Pérsico".

Zirahi declarou ainda que a tripulação está formada por sete pessoas "de diferentes nacionalidades", que também permanecem detidos.

Após sua captura, efetuada depois de receber a autorização judicial pertinente, a embarcação foi transferida ao porto iraniano de Bushehr, enquanto sua carga foi entregue à Companhia Nacional de Distribuição de Petróleo.

No comunicado, a Guarda Revolucionária ressalta ainda que "sempre está preparada para defender os interesses do Irã" e que não poupará esforços nesta missão.

Por sua parte, a emissora de televisão estatal iraniana afirmou que o navio tentava levar combustível de contrabando a alguns países árabes.

Este é o segundo cargueiro estrangeiro detido no golfo Pérsico no último mês, depois que a Guarda Revolucionária reteve no dia 14 de julho outra embarcação que transportava um milhão de litros de combustível de contrabando no sul da ilha de Larak.

Esse navio tinha bandeira do Panamá e tinha pertencido a uma companhia dos Emirados Árabes Unidos, mas não ficou claro a que país e empresa está vinculado atualmente.

Também no golfo Pérsico, a Guarda Revolucionária capturou no último dia 19 de julho o petroleiro de bandeira britânica Stena Impero por descumprir as normas de navegação, algo que Londres e a companhia barqueira negam.

A Marinha britânica tinha interceptado duas semanas antes em Gibraltar o petroleiro iraniano Grace 1, que segue retido, por suspeitas de que transportava petróleo à Síria, país sujeito a sanções da União Europeia.

A captura do Stena Impero agravou a crise no golfo Pérsico e, em particular, no estreito de Ormuz, para onde tanto os Estados Unidos como o Reino Unido propuseram enviar uma coalizão naval para escoltar as embarcações.

As autoridades iranianas advertiram, por sua parte, que uma maior presença militar estrangeira aumentará a tensão na região, onde ocorrem desde maio ataques a petroleiros e navios-cisterna e destruições de drones. EFE

Mais Economia