IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Governo iraniano afirma que petroleiro britânico já pode deixar o Irã

23/09/2019 10h26

(Altera prioridade para regular)

Teerã, 23 set (EFE).- O governo iraniano informou nesta segunda-feira que o navio-petroleiro de bandeira britânica Stena Impero já está livre e "pode se movimentar" do porto do sul do Irã no qual permanece retido há dois meses.

O porta-voz governamental, Ali Rabiei, disse em entrevista coletiva que "se cumpriram as condições para deixar que o petroleiro seja liberado e possa se movimentar".

Rabiei explicou que "o processo jurídico do petroleiro terminou" e que tem passado "por alto a sua violação", segundo a agência oficial "IRNA".

Stena Impero foi capturado em 19 de julho pela Guarda Revolucionária iraniana no estreito de Ormuz por supostamente descumprir as normas de navegação, algo que tanto o Reino Unido como a empresa do navio negaram.

A companhia sueca Stena Bulk informou no domingo que o seu navio seria liberado nas próximas horas. Pouco depois, a Organização de Portos e Navegação do Irã se pronunciou a respeito.

O diretor do órgão na província de Hormozgan, Alahmorad Afifipur, afirmou que "estão sendo feitos os processos legais para a saída deste petroleiro das águas iranianas".

"Após a emissão do veredicto da suspensão da detenção do petroleiro britânico Stena Impero, a embarcação em breve começará a navegar do porto de Bandar Abbas para águas internacionais", disse Afifipur.

Nenhuma autoridade iraniana detalhou quando o petroleiro deixará o porto da cidade de Bandar Abbas, no qual ficou retido desde que foi capturado.

A retenção do Stena Impero, com 23 tripulantes a bordo, aconteceu duas semanas depois da apreensão do petroleiro iraniano Grace 1 pela Marinha britânica perto do litoral de Gibraltar.

Gibraltar alegou que havia suspeitas de que o navio transportava petróleo à Síria, país sob sanções da União Europeia, mas as autoridades iranianas classificaram o ato como pirataria e ameaçaram tomar medidas de represália.

O Grace 1, agora chamado Adrian Darya 1, foi liberado em meados de agosto. No entanto, os EUA impuseram sanções e inclusive ofereceram uma recompensa ao capitão para que aproximasse o navio a algum país disposto a retê-lo novamente. EFE

Mais Economia