PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Santander Brasil toca sino de fechamento da Bolsa de Nova York

11/10/2019 17h56

Nova York, 11 out (EFE).- O vice-presidente executivo de Finanças do Santander Brasil, Angel Santodomingo, tocou o sino para marcar o fechamento do pregão desta sexta-feira na Bolsa de Nova York.

O tradicional gesto, chamado de "closing bell", foi feito em comemoração aos dez anos da estreia dos papéis do banco no mercado acionário norte-americano.

Em 6 de outubro de 2009, a unidade brasileira do Grupo Santander concluiu, por R$ 14,1 bilhões, a operação que seria reconhecida como a maior emissão primária de ações do país, até então, e também a maior do mundo naquele ano. O sucesso da negociação reafirmou a posição do Brasil como um dos primeiros países a se recuperar da crise internacional de 2008 e abriu caminho para outras ofertas envolvendo ativos de empresas nacionais.

"A abertura de capital foi um dos grandes passos da consolidação de nossa presença no Brasil, ao lado da aquisição do Banespa, em 2000, e da operação local do ABN AMRO Real, em 2007. Merece, portanto, ser celebrada", afirmou Santodomingo.

"Dez anos depois, atingimos patamares de rentabilidade e eficiência entre os melhores do setor bancário e reafirmamos nossa confiança no Brasil", acrescentou o executivo.

As 600 milhões de 'units' (certificados compostos por ações ordinárias e preferenciais) oferecidas pelo Santander Brasil foram vendidas por R$ 23,50 cada uma. No dia seguinte, os papéis começaram a ser negociados, simultaneamente, nas Bolsas de Valores de São Paulo e de Nova York - neste caso, na forma de recibos depositários, ou ADRs (American Depositary Receipts). Desde 2009, as units do Banco valorizaram-se em 260%, enquanto o Ibovespa subiu 66% no mesmo período. EFE