PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Avanço nas negociações EUA-China contagia Wall Street, e S&P 500 bate recorde

28/10/2019 19h20

Nova York, 28 out (EFE).- Wall Street reagiu nesta segunda-feira com otimismo em relação ao avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China, o que se refletiu inclusive em um novo recorde no índice S&P 500.

O indicador seletivo subiu 0,56% e chegou à inédita marca de 3.039,42 pontos, superando a que havia sido estabelecida em 26 de julho deste ano, de 3,027.98.

Já o índice Dow Jones Industrial, o principal da Bolsa de Nova York, subiu 0,49%, para 27,090,72 pontos, e o indicador Nasdaq Composite, que reúne as ações das maiores empresas tecnológicas, avançou 1,01% e fechou aos 8.325,99.

O pregão nova-iorquino abriu com tendência de altas, e o S&P 500 estabeleceu um recorde intradia de 3,041.81 pontos.

No Twitter, o presidente americano, Donald Trump, despertou otimismo dos investidores ao afirmar que a primeira fase do pacto comercial com a China pode ser assinada "antes do previsto" e que pretende fazê-lo em novembro, na cúpula da Apec (Cooperação Ásia-Pacífico) que será realizada no Chile.

Estimulados por essa perspectiva, os investidores também reagiram positivamente a uma rodada de resultados trimestrais de grandes empresas como AT&T, Spotify e Walgreens.

No Dow Jones, as maiores altas foram das ações de Microsoft (2,46%), 3M (1,79%), Goldman Sachs (1,64%), Dow (1,45%) e Pfizer (1,39%). As quedas mais acentuadas foram dos papéis de McDonald's (-1,45%), Exxon Mobil (-0,88%) e Travelers (-0,87%).

Fora desse indicador, as altas de maior destaque foram da operadora de telefonia AT&T (4,28%), cujos resultados superaram as expectativas de analistas, mesmo com queda no lucro e no faturamento no terceiro trimestre; do serviço de streaming de música Spotify (16,17%), que quintuplicou seus lucros e aumentou o número de assinantes; e da joalheria Tiffany (31,63%), que estuda uma oferta de compra da gigante do luxo LVMH.

No horário de fechamento da bolsa, a onça do ouro caía para US$ 1.495,40, e o rendimento dos treasuries com vencimento em 10 anos subia para 1,846%. EFE