PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Barril do Texas fecha em alta de 3,1% após ataque que matou general iraniano

03/01/2020 18h13

Nova York, 3 jan (EFE).- O barril do Petróleo Intermediário do Texas (WTI) fechou em alta de 3,1% nesta sexta-feira, cotado a US$ 61,18 o barril, após a morte do general iraniano Qasem Soleimani em um ataque dos Estados Unidos próximo ao aeroporto internacional de Bagdá, no Iraque.

Ao final das operações da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do WTI para entrega em fevereiro subiram US$ 1,87 em relação ao valor do pregão de ontem.

As cotações barril do Texas começaram o dia em alta de 3,6%, chegaram a ultrapassar a casa dos US$ 64 ao longo do pregão, nível não visto desde abril do ano passado, mas recuaram até os 3,1% na hora do fechamento.

A alta foi provocada pelos temores sobre um confronto no Oriente Médio após a morte de Soleimani, comandante da Força Qurds, a tropa de elite da Guarda Revolucionária do Irã. O general era o militar mais importante do país.

O Pentágono anunciou que o presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou a ação contra Soleimani porque o todo-poderoso general iraniano planejava novos ataques contra funcionários americanos no Iraque e em outros países da região.

Depois do ataque, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, prometeu que o país se vingará da morte de Soleimani.

O analista-chefe de riscos políticos da S&P Global Platts, Paul Sheldon, disse em nota ao mercado que espera que o Irã responda ao ataque, mas ressaltou que as chances de um conflito direto entre os dois países são menores que 50%.

A resposta do Irã, para Sheldon, deve ter como alvos aliados e ativos dos Estados Unidos na região. Outra hipótese é a ocorrência de "incidentes focados nos fluxos de petróleo no Golfo Pérsico" e "ataques a infraestruturas".

Nesse contexto, os contratos futuros de gasolina com vencimento em fevereiro subiram US$ 0,04, para US$ 1,75 por galão, e os de gás natural, com vencimento no mesmo mês, avançaram US$ 0,01, para US$ 2,13 por cada mil pés cúbicos. EFE