PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Sánchez anuncia medidas econômicas e pede "responsabilidade social"

12/03/2020 18h25

Madri, 12 mar (EFE).- O governo espanhol aprovou nesta quinta-feira um pacote de medidas econômicas e sanitárias avaliado em bilhões de euros para aliviar os efeitos da epidemia do novo coronavírus e pediu "responsabilidade social e disciplina" da população durante a emergência sanitária.

O presidente do governo, Pedro Sánchez, anunciou as medidas após a reunião que aprovou a concessão de adiamentos da dívida fiscal, por seis meses e sem juros, às pequenas e médias empresas afetadas pelo coronavírus, o que permitirá injetar 14 bilhões de euros na economia espanhola.

O governo também concordou em transferir 2,8 bilhões de euros para as regiões para que possam alocar os recursos que considerarem necessários ao setor da saúde.

Além disso, 1 bilhão de euros serão mobilizados do fundo de contingência para intervenções "prioritárias" de saúde, explicou o governante em entrevista coletiva virtual, com perguntas enviadas eletronicamente. Esse procedimento foi adotado porque uma ministra testou positivo para coronavírus nesta quinta-feira.

Uma linha de crédito de 400 milhões de euros também está disponível para ajudar as empresas de turismo, transporte e hotelaria, setor que tem sido particularmente atingido por esta crise.

Sanchez explicou que estas medidas formam um "primeiro" pacote para combater os danos do coronavírus. Esse pacote terá efeito imediato, mas terá de ser validado pelo Congresso mais tarde.

"A epidemia tem repercussões econômicas muito graves que já estamos sofrendo", disse Sánchez, ao mencionar o impacto nos sistemas de produção, distribuição e financeiro.

O governo espanhol está preparado para tomar as decisões "que devem ser tomadas" para deter a propagação do coronavírus, e o fará "onde e quando necessário", disse Sánchez quando questionado na sobre a possibilidade de declarar um estado de alerta.

Sánchez recomendou o fechamento de todas as intituições de ensino, mas detalhou que isso é uma decisão dos governos regionais, e aconselhou que idosos e pessoas com doenças crônicas permaneçam em casa como medida preventiva, assim como quem apresentar sintomas.