PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

UE lamenta decisão unilateral dos EUA de suspender viagens da Europa

12/03/2020 15h47

Bruxelas, 12 mar (EFE).- Os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do Conselho Europeu, Charles Michel, lamentaram nesta quinta-feira a decisão "unilateral" do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de suspender todas as viagens de grande parte da Europa para os EUA, como precaução contra o coronavírus.

"A União Europeia desaprova o fato de a decisão dos EUA de impor uma proibição de viagem ter sido tomada unilateralmente e sem consultas. O coronavírus é uma crise global, não limitada a nenhum continente, e requer cooperação, não ação unilateral", disseram ambos em comunicado conjunto.

Trump anunciou na quarta-feira a suspensão de todas as viagens procedentes dos países ao Espaço Schengen de livre circulação aos EUA, de modo a prevenir a propagação da doença Covid-19.

A suspensão entrará em vigor à meia-noite desta sexta-feira (hora local) e durará pelo menos 30 dias, segundo mensagem emitida do Salão Oval da Casa Branca pelo mandatário.

No comunicado conjunto, Michel e Von der Leyen afirmam que a UE está "realizando ações contundentes para limitar a expansão do vírus".

Segundo os últimos dados do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças, UE, Reino Unido, Islândia, Liechtenstein e Noruega registraram 22.105 infecções e 943 mortes causadas pela pandemia de coronavírus.

Na entrevista coletiva diária da Comissão Europeia, o porta-voz da UE, Eric Mamer, disse que Bruxelas não tem "o hábito de reagir sem pensar" e perguntou sobre a resposta europeia a esta decisão.

"Boas políticas requerem reflexão e coordenação internacional, e vamos analisar as consequências desta proibição e refletir sobre possíveis próximos passos, mas definitivamente não vamos tomar uma decisão imediata", disse o porta-voz.

Mamer também afirmou que os órgãos não comentarão cada medida tomada por "uma ou outra parte", e que os cidadãos europeus "esperam que suas autoridades públicas lidem com as questões que os preocupam: sua saúde e bem-estar e gestão da crise".

"Esta é uma crise global, afeta todos nós, não só um país ou outro continente. A questão é garantir que as medidas que tomamos dentro ou fora da UE ocorram após nos consultarem, para garantir a sua eficácia", acrescentou o porta-voz.