PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Setor de transporte aéreo prevê perdas de US$ 39 bilhões no 2º trimestre

31/03/2020 19h28

Genebra, 31 mar (EFE).- A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) divulgou nesta terça a previsão de perdas de US$ 39 bilhões para o setor no segundo trimestre do ano devido a uma queda de 71% na demanda, como resultado das restrições adotadas para conter a pandemia de Covid-19.

A previsão, que considera um cenário em que os limites de saúde para o transporte aéreo são estendidos entre abril e junho, também prevê que as companhias aéreas serão forçadas a gastar US$ 61 bilhões de suas reservas de caixa nesse trimestre para cobrir indenizações de passageiros e outras despesas.

A receita nesse período, ainda de acordo com a IATA, cairá 68%, um pouco menos do que a demanda de passageiros, já que o transporte de carga reduziu suas operações em menor escala.

Os números ruins do setor poderiam ser parcialmente atenuados pela queda dos preços do petróleo e, consequentemente, dos combustíveis, e a associação espera que isso contribua para uma redução de 31% dos custos variáveis, o que é insuficiente para compensar as perdas de receitas.

"As companhias aéreas não podem reduzir seus custos o suficiente para evitar o impacto desta crise", analisou o diretor-geral da Iata, Alexandre de Juniac, que classificou as perdas previstas para o segundo trimestre como "devastadoras".

A associação havia previsto anteriormente que a crise gerada pela Covid-19 causaria uma queda de 38% na demanda global de transporte aéreo neste ano e que em 2020 haveria uma queda de US$ 252 bilhões em receitas em comparação com o ano de 2019.

A organização, que agrupa quase 300 companhias aéreas em todo o mundo, também enalteceu o fato de alguns governos já terem aprovado medidas para aliviar a crise no setor, por exemplo, flexibilizando as políticas de compensação aos passageiros, incluindo as de Estados Unidos, Colômbia, China, Austrália e Noruega.