PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Putin determina fim do recesso decretado na Rússia em 30 de março

11/05/2020 19h53

Moscou, 11 mai (EFE).- O presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez um pronunciamento em cadeia de televisão nesta segunda-feira, em que anunciou o fim do recesso decretado para conter a propagação do novo coronavírus, no dia em que foi superada a marca dos 21 mil casos de infecção.

"Hoje, 11 de maio, termina o período de dias não úteis em todo o país e em toda a indústria nacional. No total, começando em 30 de março, isso durou mais de seis semanas", garantiu o chefe de governo.

Putin explicou que a medida foi crucial para conter o avanço da pandemia e aumentar "consideravelmente" a capacidade do sistema de saúde em enfrentar um possível agravamento da situação no futuro.

"As medidas adotadas nos permitem passar para a próxima fase de luta contra a epidemia, com o início do relaxamento gradual das restrições", detalhou.

O presidente lembrou que a Rússia é um país de grandes proporções territoriais, por isso, não será o governo central que determinará um roteiro a ser seguido por todas as regiões, que precisaram levar em conta a situação epidemiológica particular.

"Se a situação exigir, pode ser que tenham que aumentar as restrições", admitiu.

No pronunciamento, Putin afirmou que a volta ao trabalho deve acontecer com "precaução", respeitando todos as medidas recomendadas pelo governo para que a população siga protegida e não haja um crescimento no número de casos.

"A luta contra a epidemia não foi concluída", garantiu.

O presidente afirmou que seguem proibidos os eventos que concentrem grande público e que idosos com mais de 65 anos e doentes crônicos deverão permanecer confinados em casa.

Além disso, chefe do governo russo anunciou um novo pacote de auxílio para a população, dessa vez, com subsídio para 27 milhões de menores de idade, cujo benefício será recebido pelos pais a partir de 1º de junho.

MOSCOU CONFINADA.

Apesar da determinação dada por Putin, Moscou seguirá com regime de confinamento até 31 de maio, segundo já antecipou o prefeito, Sergey Sobyanin. A cidade é o foco da pandemia na Rússia, com 115.909 casos dos 221.344 do país.

Segundo balanço oficial, apenas neste domingo, foram registradas 6.169 novas infecções na capital.

Recentemente, Sobyanin afirmou que o número de casos em Moscou poderia ser até três vezes maior do que o registrado oficialmente, além disso, fez alerta que a normalidade não tinha qualquer prazo para ser retomada. EFE

io/bg

(vídeo)

Economia