PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Cortes no petróleo podem durar "mais de 2 anos", afirma ministro saudita

16/07/2020 18h20

Riad, 16 jul (EFE).- O ministro de Energia de Arábia Saudita, Abdelaziz bin Salman, afirmou nesta quinta-feira que o acordo para reduzir a produção de petróleo pode ser prorrogado por "mais de dois anos", já que o mercado não se recuperou completamente do impacto da pandemia de Covid-19.

Em abril, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) concordou em manter a produção limitada durante dois anos através de um plano por etapas, a primeira com início em 1º de maio e fim no dia 31 do mesmo mês, para cortar 9,7 milhões de barris de petróleo por dia.

Na quarta-feira, Opep, Rússia e outros grandes produtores se propuseram a aumentar a produção a partir de 1º de agosto, relaxando gradualmente o corte na oferta - 10% da produção mundial - aplicada desde 1º de maio para fazer frente à queda da demanda devido à crise.

Nesta segunda fase, previa-se que o corte fosse reduzido para 7,7 milhões de barris por dia, embora o próprio Bin Salman tenha dito que este número poderia ser de cerca de 8,1 milhões, pois alguns países não fecharam as torneiras em maio e junho e o farão agora, em maior medida, para ajudar o esforço comum de reduzir a oferta.

A expectativa para agosto é um aumento de até 1,6 milhões de barris por dia na oferta, chegando a 2 milhões entre setembro e o final do ano. Nos 16 meses seguintes, o corte total será reduzido para 5,8 milhões.

Embora nem todos os países estejam respeitando igualmente o que foi combinado, o cumprimento dos cortes divulgado foi de 107% em junho.