PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Governo da Rússia nega ligação com ataques contra pesquisadores britânicos

Candidata a vacina contra Covid-19 da CureVac é injetada em voluntário durante testes clínicos em Tuebingen, na Alemanha -
Candidata a vacina contra Covid-19 da CureVac é injetada em voluntário durante testes clínicos em Tuebingen, na Alemanha

17/07/2020 02h04

Moscou, 16 jul (EFE).- O governo da Rússia negou nesta quinta-feira que agências de inteligência do país estejam ligados a ataques cibernéticos que foram denunciados por pesquisadores que trabalham no desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus.

"Não temos nenhuma informação sobre quem poderia ter atacado empresas farmacêuticas e centros de investigação do Reino Unido", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, segundo a agência de notícias estatal "TASS".

"Podemos dizer só uma coisa: a Rússia não tem nada a ver com esses ataques. Não aceitamos essas acusações, como também não aceitamos as acusações sem fundamento sobre interferências nas eleições de 2019", completou.

O Centro Nacional de Cibersegurança do Reino Unido (NCSC), emitiu um alerta nesta quinta-feira de que hackers ligados a agências russas de inteligência têm como alvo cientistas britânicos que trabalham no desenvolvimento de uma possível vacina.

Em comunicado conjunto com a agência de segurança nacional dos Estados Unidos e a autoridade de cibersegurança do Canadá, o NCSC indicou que os ataques fazem parte de uma campanha global do grupo APT29, que busca roubar segredos da busca pela vacina.

O grupo, também conhecido como "The Dukes" (Os Duques) e "Cozy Bear" (Urso Acolhedor), é formado por 'hackers' que teriam ligações com o governo russo.

Mais cedo, o diretor-geral do Fundo de Investimentos Diretos da Rússia, Kirill Dmitriev, afirmou que não faz sentido roubar informações sobre a vacina britânica, porque uma empresa do país já negocia os direitos de produzir que está sendo produzida por especialistas da Universidade de Oxford.

Hoje, o próprio Dmitriev revelou que há possibilidade da Rússia disponibilizar, antes de outubro, a primeira vacina contra o novo coronavírus, em massa.

O diretor-geral do Fundo de Investimentos explicou que a vacina prevê duas injeções, com a segunda acontecendo 20 dias depois da primeira. A imunidade para o novo coronavírus que provoca a covid-19 seria de, aproximadamente, dois anos.