PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Jeff Bezos é o americano mais rico pelo 3º ano seguido, aponta "Forbes"

08/09/2020 19h14

Nova York, 8 set (EFE).- O fundador e diretor executivo da Amazon, Jeff Bezos, lidera pelo terceiro ano consecutivo a lista de americanos mais ricos elaborada pela revista "Forbes", cujas primeiras posições são dominadas por fortunas ligadas ao mundo da tecnologia.

Com um patrimônio estimado em US$ 179 bilhões, Bezos é considerado a pessoa mais rica do mundo e viu sua riqueza aumentar bastante durante a pandemia de Covid-19.

Em agosto, a "Forbes" calcula que a fortuna de Bezos passava de US$ 200 milhões graças à valorização das ações da Amazon, embora a lista utilize valores do mercado financeiro no final de julho, quando a riqueza do empresário havia aumentado 57% em relação ao ano passado.

Atrás de Bezes, aparecem na lista o fundador da Microsot, Bill Gates (US$ 111 bilhões) e o diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg (US$ 85 bilhões).

O investidor Warren Buffet é o quarto americano mais rico e representa a exceção em meio a uma parte da lista domminada por empresários do setor tecnológico, como o fundador da Oracle, Larry Ellisson; o diretor executivo da Microsoft, Steve Ballmer; o diretor exectivo da Tesla, Elon Musk; e os fundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin.

Ainda no top 10 aparece Alice Walton, uma das herdeiras do Walmart, seguida imediatamente pelos irmãos Jim e Rob. Em conjunto, as 400 pessoas mais ricas dos Estados Unidos possuem um patrimônio de US$ 3,2 trilhões, US$ 240 bilhões a mais do que um ano atrás, graças a uma considerável subida da bolsa nos últimos meses.

A lista deste ano conta com 18 novidades, com destaque para o diretor executivo do Zoom, Eric Yuan, e o fundador da fabricante de caminhões elétricos Nikola Motor Company, Trevor Milton.

O presidente dos EUA, Donald Trump, continua na lista dos americanos mais ricos, mas neste ano caiu da 275ª para a 352ª posição, após a fortuna diminuir de US$ 3,1 bilhões para US$ 2,5 bilhões com o impacto da pandemia de Covid-19 nos negócios imobiliários e hoteleiros.