PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

ByteDance não venderá TikTok a Oracle nem cederá código-fonte, diz TV estatal

14/09/2020 15h21

Pequim, 14 set (EFE).- A empresa de tecnologia chinesa ByteDance não venderá as operações do TikTok nos Estados Unidos a Microsoft nem Oracle, e também não entregará o código-fonte da plataforma a nenhum comprador americano, afirmou nesta segunda-feira a televisão estatal "CCTV".

Segundo o canal internacional "CGTN", que cita fontes próximas às negociações sob anonimato, é certo que a ByteDance recusou a oferta da Microsoft, como já havia anunciado a empresa de Redmond.

"ByteDance nos informou que não venderá as operações do TikTok nos EUA à Microsoft. Estávamos seguros que nossa proposta era positiva para os usuários do TikTok e também protegia os interesses de segurança nacional", comunicou a Microsoft, que tinha se associado ao Walmart para realizar a operação.

De acordo com a imprensa americana, a ByteDance escolheu a Oracle, embora isto não signifique que vá ocorrer uma venda das operações do TikTok nos EUA, mas a companhia californiana poderia se tornar um "parceiro tecnológico de confiança".

As informações indicavam que ambas as empresas consideram o negócio satisfatório para os requisitos impostos pelo presidente americano, Donald Trump, que tem uma boa relação com o diretor executivo da Oracle, Larry Ellison.

A matriz da plataforma de vídeos curtos ainda não comentou a possibilidade de evitar uma venda através de uma parceria com a Oracle.

Se assim for, a parceria permitiria que a ByteDance continuasse a operação do TikTok nos EUA, após Trump ter anunciado em agosto que o negócio da rede social nos EUA deveria ser vendido a uma empresa local até 15 de setembro se quisesse evitar uma proibição no país.

Contudo, as autoridades chinesas complicaram a operação atualizando - pela primeira vez desde 2008 - as listas de limitações ou restrições à exportação de tecnologia para outros países, incluindo características utilizadas pelo TikTok, como o reconhecimento de voz, funções de análise de dados e recomendações de conteúdo. Assim, estas tecnologias não podem mais ser vendidas a outros países sem a aprovação do Ministério do Comércio chinês.

PUBLICIDADE