PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Após três meses, tribunal do Egito libera navio que bloqueou Canal de Suez

Amanhã, porta-contêineres Ever Given poderá, novamente, navegar para fora das águas do Canal de Suez - Mahmoud Khaled/Getty Images
Amanhã, porta-contêineres Ever Given poderá, novamente, navegar para fora das águas do Canal de Suez Imagem: Mahmoud Khaled/Getty Images

No Cairo (Egito)

06/07/2021 14h28Atualizada em 06/07/2021 14h52

Um tribunal do Egito determinou hoje a suspensão da ordem de detenção do porta-contêineres Ever Given, que está nas águas do Canal de Suez desde o final de março devido a um litígio entre a entidade gestora desta via marítima e a empresa proprietária do navio, após este ter bloqueado o tráfego no local por dias.

Uma fonte da Autoridade do Canal de Suez informou à EFE que o Tribunal Econômico da cidade de Ismailiya, localizada próximo ao canal, decidiu hoje suspender a ordem emitida em 13 de abril, o que permitirá que o Ever Given navegue livremente.

A decisão foi tomada após um pedido apresentado pelo assessor jurídico da Autoridade do Canal de Suez, Khaled Abu Bakr, que informou ao tribunal que esta entidade e a empresa proprietária da embarcação chegaram a um "acordo justo e amigável".

A autoridade gestora anunciou há dois dias que, amanhã, o Ever Given poderá navegar novamente depois de chegar a um "acordo de liquidação" com a empresa japonesa Shoei Kisen, após meses de negociações.

A assinatura do acordo acontecerá em uma cerimônia nas margens do canal, que contará com a presença do chefe da Autoridade do Canal de Suez, almirante Osama Rabie, o representante da empresa japonesa e "vários embaixadores e parceiros internacionais".

Inicialmente, a Autoridade exigiu uma indenização de US$ 916 milhões (R$ 4,7 bilhões), que aceitou reduzir para US$ 550 milhões (R$ 2,8 bilhões) devido aos danos causados.

Os detalhes do acordo final serão anunciados amanhã na cerimônia para a qual foi convidada a imprensa egípcia e internacional, que poderá testemunhar o Ever Given saindo das águas do Canal de Suez, após protagonizar um dos incidentes mais midiáticos da sua história.

O navio de bandeira panamenha, que faz parte da frota da empresa de navegação taiwanesa Evergreen e carrega mais de 18 mil contêineres, ficou atravessado no canal em meio a uma tempestade de areia que causou o congestionamento de centenas de navios em trânsito entre os mares Vermelho e Mediterrâneo, causando graves perdas econômicas.

PUBLICIDADE