PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Cuba reabrirá gradualmente as fronteiras a partir de 15 de novembro

07/09/2021 02h38

Havana, 6 set (EFE).- Cuba prevê realizar uma reabertura gradual de suas fronteiras a partir do dia 15 de novembro, quando espera que mais de 90% do 11,2 milhões de habitantes tenham recebido três doses das vacinas contra a covid-19 criadas por instituições científicas cubanas.

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, o Ministério do Turismo explica que a partir dessa data serão flexibilizados os protocolos sanitários estabelecidos para a chegada dos viajantes, a causa da emergência provocada pela pandemia.

Os protocolos que valerão a partir da reabertura estarão focados na vigilância de pacientes sintomáticos e na medição da temperatura, detalha o comunicado.

Além disso, os testes de diagnóstico serão efetuados aleatoriamente, o teste de PCR não será exigido na chegada e os certificados de vacinação dos viajantes serão aceitos. A abertura do mercado turístico interno começará gradualmente de acordo com os indicadores epidemiológicos de cada região do país.

CAMPANHA DE VACINAÇÃO EM MASSA.

Neste momento, as autoridades sanitárias cubanas estão implementando um programa de vacinação em massa com o qual projetam que, até o final deste mês, toda a população apta à imunização terá recebido pelo menos uma dose de vacinas Abdala, Soberana 02 e Soberana Plus, três fórmulas cubanas que foram autorizadas para o uso de emergência no país.

As previsões da vacinação cubana indicam que até novembro, 92,6% dos 11,2 milhões de pessoas que vivem na ilha - incluindo a população entre 2 e 18 anos de idade - terão recebido as três injeções do calendário estabelecido.

Cuba restringiu a entrada de viajantes em 24 de março, permitindo apenas a entrada de residentes, e fechou completamente as suas fronteiras em 2 de abril de 2020, exceto no que diz respeito ao tráfego de mercadorias e casos excepcionais para frear a propagação do novo coronavírus.

Em outubro do ano passado reabriu aeroportos, mas as infecções dispararam, muitas delas atribuídas ao não cumprimento de protocolos de isolamento para viajantes.

PROTOCOLO PARA VIAJANTES.

O protocolo sanitário estabelecido exige agora que os viajantes apresentem um teste de PCR negativo para entrar em Cuba, realizado não mais de 72 horas antes da chegada, mais um segundo teste na fronteira ao entrar no país.

Tanto os turistas como os cubanos, residentes ou não, são obrigados a realizar um período de quarentena de seis noites e sete dias, que os cidadãos que vivem em Cuba podem escolher entre um hotel pago ou um centro estatal de isolamento gratuito.

Por esta razão, os voos de Estados Unidos, México, Panamá, Bahamas, Haiti, República Dominicana e Colômbia foram reduzidos ao mínimo desde janeiro.

Cuba vive atualmente o pior surto da pandemia, com 8.000 a 9.000 infecções por dia e uma média de 80 mortes nas últimas semanas, sendo um dos países com maior incidência de covid-19 na América Latina.

Antes da pandemia, o turismo era a segunda maior fonte de receitas oficiais em moeda estrangeira de Cuba, atrás apenas da venda de serviços profissionais no exterior, e contribuía com cerca de 10% do produto interno bruto (PIB).

Cuba recebeu 225.417 turistas e viajantes estrangeiros de janeiro a maio, quase dois milhões a menos do que no mesmo período em 2020, segundo dados do Gabinete Nacional de Estatística e Informação (ONEI). EFE

rmo/vnm

PUBLICIDADE