PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

China tem apenas 2,2% dos voos internacionais registrados antes da pandemia

15/09/2021 22h22

Pequim, 15 set (EFE).- As companhias aéreas locais e estrangeiras estão realizando cerca de 200 voos internacionais de ida e volta por semana na China, o que representa apenas 2,2% do que era operado antes da pandemia da covid-19, segundo indicou nesta terça-feira a imprensa local.

A previsão da Administração de Aviação Civil do país asiático, no entanto, ainda não prevê um rápido aumento na quantidade de voos, dada a grave situação provocada pela propagação do novo coronavírus no mundo, de acordo com informações repassadas por fontes do órgão aos veículos de comunicação.

As autoridades chinesas, além disso, recomendaram que a população não faça viagem ao exterior nos próximos feriados do país, em 21 de setembro, no Festival de Meio Outono, e em 1º de outubro, a Festa Nacional.

Desde março do ano passado, o governo obriga todos aqueles que chegam de outros países a realizar uma rígida quarentena em um hotel, de um mínimo de 14 dias. O viajante deve arcar com todos os gastos de hospedagem e manutenção no período.

Desde junho, as autoridades chinesas de aviação também estão punindo as companhias que transportam em voos passageiros que dão positivo para a covid-19 na chegada no desembarque no território do país.

Quando isso acontece, a empresa fica proibida de realizar voos durante um período determinado de tempo, proporcional ao número de casos detectados.

Além disso, a maioria das rotas internacionais deve ser direta para a China, sem a realização de escalas.

VOOS NACIONAIS.

Os voos nacionais na China também foram impactados pela pandemia da covid-19, especialmente em momentos que são detectados surtos de contágio no território nacional.

Em junto, quando houve um dos piores registros de transmissão desde o surgimento do novo coronavírus, em Wuhan, houve queda acentuada no número de passageiros. Em julho e agosto deste ano, a queda chegou a 42% na comparação com o mesmo período de 2020.

Apesar dos problemas causados pena pandemia, o órgão chinês de aviação civil aponta para otimismo, devido o "grande potencial" do setor, graças a demanda doméstica de 1,4 bilhão de habitantes no país.

PUBLICIDADE