PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Modernização de hospitais revigora atendimento de saúde no norte da Argentina

22/09/2021 03h28

La Paz, 21 set (EFE).- O atendimento de saúde no norte da Argentina vai se beneficiar com a realocação, em um caso, e a expansão, em outro, de dois hospitais tradicionais com uma grande área de influência e que receberão apoio do Fonplata-Banco de Desenvolvimento.

A ampliação e modernização do hospital San Bernardo, na cidade de Salta, e a mudança de local do hospital Herrera Motta, em Chilecito, na província de La Rioja, são dois projetos que contribuem para o cumprimento do objetivo de desenvolvimento sustentável em saúde e bem-estar para 2030.

Ambas as obras, há muito esperadas, recebem um financiamento total de US$ 43 milhões do Fonplata, um banco de desenvolvimento integrado por Argentina, Brasil, Bolívia, Paraguai e Uruguai. Elas vão beneficiar não só as duas localidades, mas também províncias vizinhas e até mesmo países próximos, como a Bolívia, que às vezes encaminham pacientes para esses centros de saúde, de acordo com as autoridades locais.

SAN BERNARDO SE MODERNIZA.

O hospital San Bernardo está em funcionamento há 61 anos e é um elo "muito importante" no setor de saúde da província de Salta, disse o gerente geral da instituição, Pablo Salomón, à Agência Efe.

"Somos um hospital altamente complexo, um hospital-escola, e nos dedicamos ao tratamento de pacientes com politraumatismos", afirmou.

Devido a seu perfil, o hospital não pode se dedicar muito a outras áreas médicas, pois é o único da região que trata politraumatismos. Apesar disso, em 2020 ele contribuiu com 170 leitos para a internação de pacientes com covid-19, de acordo com Salomón.

San Bernardo é um hospital muito importante no norte da Argentina, mesmo para os países vizinhos, pois Salta faz fronteira com Chile, Bolívia e Paraguai, como lembrou o ministro de Economia e Serviços Públicos da província, Roberto Dib Ashur.

Por isso foi necessário que este hospital "tivesse maior capacidade" e equipamentos melhores e mais modernos, o que fortalecerá o sistema de saúde local, acrescentou ele.

O projeto requer um investimento de US$ 28,2 milhões, sendo US$ 20 milhões através do Fonplata e o restante da província.

As obras incluem a ampliação do hospital em uma área de cerca de 11 mil metros quadrados, o que aumentará a capacidade das salas de cirurgia, serviços de alta complexidade, cuidados intensivos e intermediários, cuidados intensivos para queimaduras, serviços de esterilização, assom como a inclusão de um centro de ensino e pesquisa.

Salomón disse que o apoio do Fonplata era "indispensável" para a realização do projeto, que está prestes a ser licitado.

NOVO HERRERA MOTTA.

Com cerca de 90 mil habitantes, Chilecito é uma das muitas cidades do norte da Argentina onde são evidentes certas assimetrias que o governo nacional quer reduzir, afirmou à Efe a presidente do Fundo Fiduciário Federal de Infraestrutura Regional (FFFIR), Silvina Batakis.

O hospital Herrera Motta é o único centro de saúde público gratuito da cidade, de acordo com Karina Angeletti, conselheira e coordenadora executiva do FFFIR.

O hospital foi construído há 60 anos em uma área "que acabou se tornando de difícil acesso" por estar "contra um morro", explicou ela.

Além de ser "inacessível", o centro médico tem problemas de infraestrutura, com algumas áreas que não são mais utilizáveis, segundo Batakis.

A localização do hospital torna "impossível" que ele seja ampliado, e por isso foi necessário transferi-lo para uma "área completamente diferente, com rápida acessibilidade para a cidade e arredores", explicou Angeletti.

O projeto prevê a mudança da sede atual de 5 mil metros quadrados para uma de mais de 20 mil metros quadrados que contará com uma moderna infraestrutura com 35 ambulatórios, 120 leitos, laboratórios, oito salas de cirurgia, uma área de reabilitação e diagnóstico por imagem, por exemplo.

"Será um enorme salto de qualidade, o que também se deve aos altos padrões estabelecidos para o desenvolvimento do projeto", disse Batakis.

Este projeto beneficiará os habitantes de Chilecito e três cidades vizinhas, além de gerar 300 empregos durante o período de construção e o efeito multiplicador com a construção de moradias planejadas pela província para os médicos do hospital.

PUBLICIDADE