PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Argentina projeta crescimento de 10% e reconhece persistência de inflação

14/12/2021 05h10

Buenos Aires, 13 dez (EFE).- O ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, reiterou a previsão de uma recuperação econômica de 10% para este ano no país e de 4% em 2022, embora também tenha reconhecido a "maior persistência" no nível de inflação.

Para combater o problema, ele disse nesta segunda-feira, ao defender o orçamento para 2022 na Comissão de Orçamento e Finanças da Câmara dos Deputados, que está buscando "o maior financiamento possível" junto aos credores internacionais para reduzir o financiamento monetário do déficit fiscal, em um contexto no qual está renegociando a dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Guzmán declarou que revisou para cima o crescimento econômico da Argentina em 2021 para 10%, após o tombo de 9,9% que o país sofreu em 2020, quando completou três anos de recessão.

Entretanto, o ministro não modificou a previsão de 33% de inflação para 2022 que havia apresentado em 15 de setembro.

Guzmán reconheceu que a dinâmica inflacionária "não estava totalmente alinhada" e que "isso acrescenta um fator de maior persistência à dinâmica para o próximo ano".

Segundo o ministro, a inflação tem "causas múltiplas", incluindo o financiamento do déficit fiscal através da emissão monetária pelo Banco Central.

Guzmán também apresentou uma previsão de redução do déficit primário, que passaria de 6,4% em 2020 - nível alcançado devido aos gastos gerados para conter os efeitos da pandemia de covid-19 - para 3,5% em 2021.

Para 2022, o ministro estimou um déficit primário de 3,3% do PIB e um déficit financeiro de 4,9% do PIB. EFE

PUBLICIDADE