PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Chefe de gabinete argentino debate acordo com FMI com representantes da UE

16/12/2021 06h24

Buenos Aires, 15 dez (EFE).- O chefe de gabinete da Presidência da Argentina, Juan Manzur, reuniu-se nesta quarta-feira com autoridades e representantes diplomáticos da União Europeia (UE) e apresentou o trabalho do governo do país para tentar um acordo de renegociação da dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Quando dizemos que temos a vontade e a decisão política de avançar em um acordo de entendimento com o FMI, também defendemos que essa instância não pode impedir o crescimento da Argentina", disse Manzur, segundo um comunicado divulgado pela chefia de gabinete.

"Esse é um tema central. Precisamos continuar crescendo para gerar postos de trabalho e tirar uma enorme massa de argentinos de uma situação de vulnerabilidade", declarou.

Manzur participou de um encontro com o embaixador da União Europeia na Argentina, Amador Sánchez Rico, e representantes diplomáticos de Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Eslovênia, Eslováquia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Polônia, Portugal, República Tcheca e Romênia.

Na reunião, ainda estiveram presentes os ministros argentinos de Desenvolvimento Produtivo, Matías Kulfas, e Interior, Eduardo de Pedro.

Sánchez Rico afirmou que o bloco de países que representa apoia as negociações da Argentina com o FMI, ainda de acordo com a nota divulgada pela chefia de gabinete do país sul-americano.

"Conversamos sobre as negociações em curso com o FMI. A União Europeia as apoia, e estamos a favor de um acordo. O melhor para os argentinos e argentinas", afirmou o embaixador.

A Argentina negocia desde o ano passado com o FMI o refinanciamento de uma dívida que beira atualmente US$ 43,3 bilhões e foi contraída em um acordo assinado pelo ex-presidente Mauricio Macri.

Contudo, devido a grave crise que o país atravessa, o governo presidido por Alberto Fernández já sinalizou que não tem condições de realizar o pagamento das próximas parcelas. EFE

vd/bg/id

PUBLICIDADE