PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Estatal paraguaia volta a baixar preço dos combustíveis para conter protestos

19/03/2022 00h17

Assunção, 18 mar (EFE).- O governo do Paraguai anunciou esta sexta-feira que a empresa petrolífera estatal voltará a reduzir o preço de dois dos combustíveis mais consumidos no país, em uma tentativa de acabar com os bloqueios rodoviários que já completaram cinco dias.

O ministro do Interior paraguaio, Federico González, disse em entrevista coletiva que a Petróleos Paraguaios (Petropar) reduzirá a partir de segunda-feira em 500 guaranis (US$ 0,072) o litro de diesel tipo III e em 300 guaranis (US$ 0,043 centavos) o litro de gasolina.

Este é o segundo corte em menos de uma semana no custo desses combustíveis, já que nesta quinta-feira foi aplicado um desconto de 500 guaranis em ambos.

González indicou que isso levaria a uma redução de 1.000 guaranis (US$ 0,14) por litro de diesel tipo III e de 800 guaranis (US$ 0,11) para a gasolina.

A medida será aplicada aos postos Petropar e não é vinculante para as distribuidoras privadas, que podem fixar livremente seus preços.

A iniciativa foi aprovada após o Senado se recusar a analisar em sessão extraordinária um projeto de lei do Executivo para a criação de um fundo de estabilização dos preços dos combustíveis que seria financiado com um empréstimo internacional.

Diante da recusa dos senadores, o ministro da Fazenda do Paraguai, Oscar Llamosas, explicou em coletiva de imprensa que o governo irá apresentar na segunda-feira uma nova iniciativa à Câmara Alta, desta vez com um fundo que subsidia apenas a Petropar, mas não empresas privadas.

O mecanismo poderia ser financiado com as contribuições feitas pela petrolífera ao Tesouro e por meio de impostos, incluindo o imposto de consumo seletivo. Este imposto afeta produtos não considerados essenciais ou que poluem o meio ambiente, como os combustíveis.

O corte de hoje foi anunciado quando o país completa o quinto dia de bloqueios intermitentes em suas principais vias, que ameaçam gerar desabastecimento e afetaram a circulação de veículos particulares e de transporte público.

A redução dos preços da Petropar gerou reações mistas entre os manifestantes, pois enquanto alguns anunciaram que iriam suspender os protestos hoje, outros disseram que estavam dispostos a esperar o Congresso aprovar a iniciativa do Executivo. EFE