PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Ucrânia perde US$ 1,5 bilhão em exportações agrícolas

30/03/2022 16h48

Kiev, 30 mar (EFE).- A Ucrânia viu suas exportações agrícolas reduzidas desde o início da guerra, causando perdas de US$ 1,5 bilhão, segundo dados do Ministério da Agricultura ucraniano.

Antes da invasão russa em 24 de fevereiro, a Ucrânia exportava cinco milhões de toneladas de produtos agrícolas todos os meses pelos portos de Odessa e Nikolaev, que agora estão bloqueados.

Por esta razão, o país conta atualmente apenas com os portos fluviais do Danúbio e das rotas terrestres para enviar suas exportações, que agora se estimam em 0,5 milhões de toneladas de cereais, segundo o vice-ministro da Agricultura, Taras Vysotsky, em comunicado publicado pela pasta.

Antes da guerra, os produtos agrícolas representavam 41% das exportações totais da Ucrânia, o terceiro maior produtor mundial de cevada, e em quarto e quinto lugar nas exportações de aveia e milho, respectivamente.

O vice-ministro destacou que a via fluvial tem uma capacidade muito limitada pois não existe a infraestrutura necessária, embora a ferrovia também apresente complicações técnicas relacionadas com a largura da via, entre outras.

Mesmo assim, a Ucrânia atualmente consegue exportar 30 mil toneladas de cereais por dia através de vias férreas.

"Estamos trabalhando com parceiros europeus para resolver esse problema", disse Vysotsky, observando que a Ucrânia não é apenas responsável por si mesma, uma vez que "dezenas de países" poderiam sofrer com a fome devido à falta de cereais ucranianos.

Entretanto, o ministro da Agricultura, Mykola Solsky, reuniu-se hoje com o vice-ministro dos Transportes romeno, Ionel Skriosteanu, para explorar as possibilidades de envio de exportações através de portos de outros países.

"Estamos buscando rotas logísticas alternativas para enviar nossos produtos através de portos europeus, incluindo o porto romeno de Constanta", disse Solsky, de acordo com um comunicado separado, que não especificou como os produtos seriam transportados para a Romênia. EFE