Bolsas

Câmbio

Reforma da Previdência

Gestoras públicas avançam para benefícios além de suas 'fronteiras'

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli

Brasília

Primeiro fundo fechado de servidores públicos criado no país, a Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (SP-Prevcom) vai agora brigar para gerir a aposentadoria complementar dos servidores da cidade de São Paulo.

Num mercado que pode vir a ser aberto para os grandes bancos, caso a proposta de reforma da Previdência seja aprovada pelo Congresso, a SP-Prevcom quer abocanhar também a gestão de previdência complementar de municípios de dentro e fora do Estado. Também está no radar da fundação a gestão da previdência complementar de Estados menores.

O presidente da SP-Prevcom, Carlos Henrique Flory, disse ao jornal O Estado de S. Paulo e ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real da Agência Estado) que as conversas com o município de São Paulo estão avançadas.

Se o texto da reforma for aprovado do jeito que está, a concorrência poderá ser feita por meio de licitação também com as entidades abertas de previdência complementar, administradas por grandes instituições financeiras.

Flory diz que não tem medo da concorrência e lembra que a fundação não tem fins lucrativos e, portanto, pode oferecer taxas de administração menores. "Não temos nenhum problema de concorrer com as abertas. Temos um limite de taxa de no máximo 1%. As abertas trabalham com 3% e 4%", diz.

A SP-Prevcom tem hoje cerca de 20 mil participantes e patrimônio de R$ 670 milhões - superior ao do Funpresp, a previdência complementar dos servidores da União.

Um fundo multipatrocinado para reunir a previdência complementar de vários municípios do Estado está prestes a ser criado. "Existem muitos municípios que têm poucos servidores que ganham acima do teto. Vamos juntar tudo num fundo."

O Estado de São Paulo já aprovou uma lei permitindo que a fundação faça a gestão da aposentadoria de Estados e municípios. Para Flory, daqui a 40 anos os fundos dos servidores serão maiores dos que os estatais, como a Previ, do BB.

Mais mercado

Já há um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados para permitir que Estados, Distrito Federal e municípios "contratem" o Fundo de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Executivo (Funpresp-Exe) para administrar seus benefícios.

A ideia é permitir que mesmo locais menores, onde a criação e manutenção de um fundo próprio não é viável, tenham um plano de previdência complementar. Mas a abertura da gestão para a iniciativa privada pode retirar fatia desse mercado do Funpresp. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos