ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

BC diz que maior uso do cheque especial em fevereiro é sazonal

Eduardo Rodrigues e Fernando Nakagawa

Brasília

26/03/2018 16h13

O chefe do departamento de estatística do Banco Central, Fernando Rocha, disse nesta segunda-feira, 26, que o maior uso do cheque especial em fevereiro reflete um comportamento sazonal, ou seja, que ocorre normalmente neste período. Segundo ele, isso acontece porque os recursos do 13º salário dos consumidores costumam se esgotar a partir do segundo mês do ano.

"A taxa de juros do cheque especial ficou estável, mas como o saldo do cheque especial ficou maior, a média das taxas de juros cobradas de pessoas físicas aumentou", explicou.

Rocha detalhou também que as operações no cartão de crédito à vista, que tinham aumentado no fim do ano justamente devido ao 13º salário, voltaram a cair em fevereiro.

Parcelado do cartão de crédito

Rocha disse que os juros cobrados no cartão de crédito parcelado, de 174,3% ao ano em fevereiro, chegaram ao maior patamar da série histórica medida pela autoridade monetária.

"Os juros do cartão de crédito são altos, e a orientação em termos de educação financeira é de que o rotativo do cartão de crédito é uma forma emergencial que deve ser evitada. Existem outras modalidades com juros menores e prazos mais longos", avaliou Rocha.

Ele lembrou que as taxas do rotativo regular caíram após as medidas implementadas pelo BC em março do ano passado, mas cresceram nos últimos dois meses devido à entrada de novos participantes no mercado de cartões de crédito, com juros mais elevados. "A média subiu por essa razão", afirmou.

Projeção para carteira de crédito

Rocha atualizou as projeções da autoridade monetária para o mercado de crédito em 2018. A estimativa de expansão do crédito total passou de 3,0% para 3,5%.

"O crédito com recursos livres tem sido mais dinâmico nos últimos meses, por isso a projeção de alta no crédito livre passou de 4,0% para 6,0%, também devido à recuperação da atividade e à política monetária", afirmou.

Segundo ele, a projeção de avanço para o crédito direcionado se manteve em 1,0%, com crescimento em linhas para pessoas físicas - habitacional e rural - e redução em linhas para empresas.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia