ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Governo confirma que Dyogo presidirá BNDES e Colnago assumirá o Planejamento

Carla Araújo, Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues

Brasília

01/04/2018 18h35

O Palácio do Planalto confirmou neste domingo, 1º, que o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, assumirá a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para substituir Dyogo como ministro do Planejamento, foi escolhido Esteves Colnago, atual secretário-executivo da Pasta. As informações foram divulgadas por meio de nota à imprensa.

A decisão foi sacramentada em reunião que acontece, neste momento, no Palácio do Jaburu, entre o presidente Michel Temer, Dyogo Oliveira, Esteves Colnago e os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Secretaria Geral, Moreira Franco, além do líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (MDB-RR).

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tentava emplacar o secretário de Acompanhamento Fiscal da Fazenda, Mansueto Almeida, para o cargo. Mas, segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Oliveira defendeu a permanência de Conalgo sob o argumento de que a escolha dele dará sentido de continuidade aos trabalhos, já que Conalgo conhece bem o funcionamento da pasta e é funcionário público há mais de 20 anos.

Currículo

Economista com mestrado em Ciências Públicas, Esteves Pedro Colnago Junior atua junto à área econômica do governo desde 1996, quando iniciou carreira de analista no Tesouro Nacional. É analista do Banco Central desde 1998 e assumiu coordenações de áreas no Ministério da Fazenda de 2004 a 2015.

Colnago acompanhou a ascensão de Dyogo Oliveira na administração pública e foi seu secretário-executivo adjunto tanto na Fazenda como no Planejamento. Desde abril do ano passado foi efetivado como o secretário-executivo de Oliveira, substituindo-o em períodos de férias ou viagens ao exterior.

Além do cargo no ministério, Colnago é presidente do Conselho de Administração do BNDES - para onde Oliveira está indo ser o presidente - e membro do Conselho de Administração da Eletrobras.

Mais Economia