ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Correção: Selic no fim de 2018 passa de 6,50% para 6,25% ao ano, projeta Focus

Fabrício de Castro

Brasília

02/04/2018 10h25

A nota enviada anteriormente contém uma incorreção na segunda parte do texto, referente ao Sistema de Expectativas de Mercado do relatório Focus. Havia incorreção na projeção da Selic após o corte esperado em maio. A expectativa é que a taxa permaneça em 6,25% ao ano até fevereiro de 2019, e não em 6,50% como constou. Segue texto corrigido.

Após o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, reforçar, na última quinta-feira, 29, que o juro básico da economia pode cair novamente na reunião de maio do Comitê de Política Monetária (Copom), a pesquisa Focus realizada semanalmente com analistas do mercado financeiro trouxe mudança na expectativa para o patamar do juro no fim do ano. A projeção desta segunda-feira, 2, caiu de 6,50% - patamar anunciado na semana passada - para 6,25% ao ano.

Com isso, a previsão de Selic (a taxa básica de juros) média em 2018 passou de 6,53% para 6,34% ao ano, ante 6,75% de quatro pesquisas antes. O grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções de médio prazo, o chamado Top 5, manteve a previsão para a taxa básica no fim do ano em 6,25%, ante 6,75% de um mês antes.

Entre todos os analistas consultados, a previsão para a taxa Selic no fim de 2019 seguiu em 8%. Já a expectativa de juro médio no próximo ano entre todos os consultados caiu de 7,50% para 7,27%, ante 7,75% de quatro semanas atrás. Entre os analistas do Top 5, a previsão de juro no fim do ano seguiu em 8,00%, mesmo valor de um mês antes.

Expectativas

Os economistas do mercado financeiro esperam por um corte de 0,25 ponto porcentual da Selic em maio, de 6,50% para 6,25% ao ano. Depois disso, conforme o Sistema de Expectativas de Mercado do relatório Focus, a projeção é de que a Selic permaneça em 6,25% ao ano até fevereiro de 2019, quando a taxa subiria a 6,50% ao ano. Este aumento marcaria o início de um novo ciclo, desta vez de alta para os juros básicos.

Mais Economia